Sábado, 06 de junho de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 01/04/2020

ANDRÉ SEFFAIR - As trevas do mundo conectado em rede

ANDRÉ SEFFAIR - As trevas do mundo conectado em rede

Em nenhuma atividade humana ignorância é virtude. Começamos a entrar em decadência quando imaginamos o contrário. Não é de hoje. As lideranças do Brasil dos últimos 18 anos, infelizmente, revelam que nosso flerte com as trevas já vem de algum tempo.

 

A infalibilidade bolsonarista, certeza absoluta dos fiéis da seita à direita, é face da mesma moeda da cegueira coletiva que outra seita, ao lado oposto do especto, nutria por Lula. Ambas flertam com o ódio, se gabam de suas respectivas idolatrias, imaginam-se dotados de uma visão peculiar e profunda do mundo, garimpam mensagens subliminares em entrelinhas, esgueiram-se sob a sombra de inimigos e gestos ocultos, esforçam-se para tentar provar, onde não tem, o valor absoluto de seus ídolos.

 

Os fiéis são em geral vaidosos de sua pretensa intelectualidade, arrogantes no discurso, raivosos na prática e perigosos à democracia.

 

O paradoxo dessa era é que o excesso de acessibilidade às informações não nos tornou mais sábios, senão mais confortáveis e complacentes com as ignorâncias que nos convém. A abundância de luz, tão festejada como benéfica, acabou nos cegando.

 

O conhecimento científico, o domínio dos fatos e da razão, hoje não são bem vistos, são sinônimos de elitismo.

 

A pior das pragas desse tempo não é o vírus, é a desinformação, o culto à ignorância, o ódio instintivo decorrente do primitivismo e a idolatria das vaidades humanas.

 

Estudem, estudem, estudem e jamais se deixem escravizar por ídolos ignorantes e suas ideologias destrutivas.

 

*O autor é promotor de Justiça, mestre em Direitos Humanos pela UEA e doutorando em Ciências Criminais pela universidade de Coimbra* 

Sobe Catracas

RODRIGO FERNANDES, escritor paraense

Natural de Santarém, venceu concurso da Academia Paraense de Letras e Artes e obra dele ficou em 1º lugar na categoria 'Melhor Livro'

Desce Catracas

ALFREDO MENEZES, ex-superintendente da Suframa

Foi demitido após 1 ano e 3 meses à frente da autarquia, que enfrenta a por crise da história