DeAmazônia

MENU
Atualizado em 24/03/2020

Honda, Samsung e Transire começam a parar, por causa do Covid-19

Três gigantes do PIM suspendem atividades, temporariamente

Honda, Samsung e Transire começam a parar, por causa do Covid-19 moto Honda suspende atividade nesta sexta, e retorna dia 13 de abril

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Com 47 casos de coronavírus confirmados fábricas da Zona Franca de Manaus começam a parar.

 

Segundo matéria de hoje (24/03), da Folha de São Paulo, assinada pela jornalista Monica Prestes,  grandes empresas como Honda, Samsung e Transire anunciaram a suspensão das atividades, temporariamente.

 

A Folha revelou que a Samsung, com 5 mil funcionários, suspendeu a produção a partir desta terça (24); a Transire, com aproximadamente,  1, 2 mil colaboradores paralisa na quarta (25); Com 7 mil empregados, a Moto Honda interrompe os serviços na sexta.

 

A Samsung ficará sem atividade, por seis dias. Já a Transide por 15 dias e a Honda paralisa na sexta e só retorna no dia 13 de abril.

 

Já uma temeridade de trabalhadores do Distrito Industrial de Manaus sobre a continuidade da produção, por causa do Covid-19. A Zona Franca tem 80 mil funcionários.

 

Sem decreto do governo do Estado, de suspensão das atividades, muitas empresas seguem funcionando, como é o caso da empresa LG que tem 2 mil funcionários.

 

“Por enquanto a gente não fecha as empresas do Distrito Industrial e vamos observando à medida que for evoluindo a gente avalia na frente”, disse o superintendente da Suframa, coronel Alfredo Menezes, que segue a risca a cartilha do presidente Bolsonaro.

 

Menezes está de quarentena. Ele manteve contato com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, que testou positivo para o coronavírus.

Sobe Catracas

YANA GADELHA, lutadora de MMA

Vinda do balé clássico, com apenas 10 meses de treinos, amazonense foi eleita "Revelação do Ano", no prêmio Osvaldo Paquetá, considerado o Oscar do MMA

Desce Catracas

JOCIONE SOUZA, prefeito de Novo Aripuanã

Justiça mandou ele pagar gratificações à professores municipais, atrasadas desde os anos de 2011 e 2012