DeAmazônia

MENU
Atualizado em 14/03/2020

Polícia Federal apreende 2,5 toneladas de pirarucu em Tabatinga; dupla foi presa

Pescado teria como destino a tríplice fronteira; peixes apreendidos foram doados para comunidades ribeirinhas

Polícia Federal apreende 2,5 toneladas de pirarucu em Tabatinga; dupla foi presa Polícia Federal apreendeu 2,5 toneladas de Pirarucu, em Tabatinga (Foto: Divulgação/PF)

DEAMAZÔNIA TABATINGA, AM – A Polícia Federal apreendeu 2,5 toneladas de Pirarucu, em Tabatinga, nesta quinta-feira (12/3). Dois homens, que não tiveram os nomes divulgados, foram presos em uma embarcação, nas proximidades da comunidade Ilha do Bananal, no Rio Amazonas.

 

A embarcação na qual foram encontrados os pescados navegava em direção à região da tríplice fronteira, onde, segundo um dos presos, a carga seria vendida para um indivíduo não identificado. Ainda segundo depoimento dos acusados, a pesca teria sido realizada na região de Amaturá, outra cidade localizada às margens do Rio Amazonas (aproximadamente 310 km de Tabatinga).

O pirarucu tem a pesca proibida durante o ano todo. Apenas peixes criados em área de manejo e com autorização do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) podem ser comercializados. Os peixes apreendidos foram pesados e doados para as comunidades ribeirinhas: Bananal e Palmares.

 

Diante da situação apresentada os homens foram conduzidos até a Delegacia de Polícia Federal em Tabatinga, onde foi instaurado Inquérito Policial mediante Auto de Prisão em Flagrante, com indiciamento pelos crimes de Pesca Proibida (artigo 34 da Lei de Crimes Ambientais -Lei Federal 9.605), e Contrabando na modalidade tentada (artigo 334-A do Código Penal -Decreto Lei 2.848).

Sobe Catracas

FRAN CANTO, empresário parintinense

Capacete de oxigenação, fabricado pela gráfica dele, para pacientes com dificuldade respiratória, foi aprovado por médicos, por eficácia e economia

Desce Catracas

RODRIGO DE SÁ, diretor-presidente do Detran/AM

Detran/AM reajustou taxas de serviços em plena crise do coronavírus, mas suspendeu medida e alegou que "situação passou despercebida"