DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/03/2020

Guiana registra primeira morte por Coronavírus

País fica na fronteira com Roraima; presidente confirmou que este é o primeiro caso importado de covid-19 em Georgetown

Guiana registra primeira morte por Coronavírus Primeira morte por coronavírus confirmada na Guiana (© Fernando Frazão/Agência Brasil)

DEAMAZÔNIA GUIANA - Foi confirmada a primeira morte por Coronavírus, na Guiana, que faz fronteira com o estado de Roraima, no Norte do Brasil. A vítima é uma mulher de 52 anos, com histórico de viagem recente à Nova York (EUA). Ela morreu na noite dessa quarta-feira (11) no Hospital Público de Georgetown (GPHC), capital da Guiana, após ter dado entrada na unidade de saúde em estado grave.

 

O presidente David Granger, em uma declaração nesta quarta-feira (11), confirmou que esse foi o primeiro caso importado de covid-19 em Georgetown. Ele disse que a mulher se apresentou ao sistema público de saúde em 10 de março, cinco dias após sua chegada a Guiana.

 

De acordo com Granger, na ocasião, a paciente foi internada com a diabetes fora de controle e com um quadro de hipertensão. Ela acabou morrendo por volta das 8h no Georgetown Public Hospital Corporation (GPHC).

 

Uma amostra clínica foi coletada e enviada por volta das 10h para o Laboratório Nacional de Referência, onde testes confirmaram o diagnóstico de covid-19. O presidente da Guiana disse que logo em seguida uma equipe foi enviada para a casa da vítima para avaliações e medidas de saúde pública.

 

Até esta quinta-feira (12), havia 28 pessoas sendo monitoradas na Guiana.

 

Nesta quarta-feira (11), a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou a reclassificação do coronavírus e da Covid-19 como uma pandemia, o que significa que a doença já tem alcance global.

Sobe Catracas

YANA GADELHA, lutadora de MMA

Vinda do balé clássico, com apenas 10 meses de treinos, amazonense foi eleita "Revelação do Ano", no prêmio Osvaldo Paquetá, considerado o Oscar do MMA

Desce Catracas

JOCIONE SOUZA, prefeito de Novo Aripuanã

Justiça mandou ele pagar gratificações à professores municipais, atrasadas desde os anos de 2011 e 2012