DeAmazônia

MENU
Atualizado em 25/02/2020

Adnet tira onda de Bolsonaro no desfile da São Clemente, no Rio

Escola apresenta enredo sobre "O Conto do Vigário"; humorista imitou flexão do presidente e escola trouxe bateria fantasiada de laranja

Adnet tira onda de Bolsonaro no desfile da São Clemente, no Rio Humorista fez "arminha" do alto do carro da São Clemente (Créditos: Dhavid Normando/Riotur)

O humorista Marcelo Adnet desfilou pela São Clemente na noite desta segunda-feira 24/II com uma fantasia inspirada em Jair Bolsonaro. Do alto de um dos carros alegóricos, vestindo uma peruca semelhante ao cabelo do presidente, Adnet repetiu gestos de "arminha" e levantou cartazes com chavões de Bolsonaro, como "talkei" e "a culpa é do Leonardo di Caprio".

 

A São Clemente foi a primeira escola a entrar na avenida no segundo dia - segunda-feira (24) - dos desfiles do Rio de Janeiro. Além de desfilar como destaque, Adnet também foi um dos compositores do samba-enredo "O Conto do Vigário".

 

O humorista também fez flexões, imitando o presidente. Em dezembro de 2018, já presidente eleito, Bolsonaro fez o exercício em visita ao Comando de Operações Táticas da Polícia Federal, em Brasília. À época ele ainda estava com bolsa de colostomia que recebeu após a cirurgia a que foi submetido devido à facada que levou em Juiz de Fora. O movimento feito pelo presidente gerou piadas, devido não estar correto.  

 

"O Brasil é assim. Acho que o lance das fake news é o verdadeiro conto do vigário", disse o humorista. "Um conto do vigário institucionalizado".

 

A bateria da escola veio fantasiada de laranja, representando o verso "Tem laranja! Na minha mão, uma é três e três é dez!", que pode ser interpretado com referência ao caso de supostas candidaturas laranjas do PSL, partido pelo qual Bolsonaro ganhou as eleições. 

 

 

 

 

Sobe Catracas

NATHÁLIA FARIA, karateca amazonense

Do topo do ranking nacional de karatê, atleta chega à seleção brasileira da categoria de base pela terceira vez

Desce Catracas

ADONEI AGUIAR, prefeito de Curinópolis (PA)

Afastado do cargo por acusação de integrar esquema criminoso, STF negou pedido dele para retornar ao cargo