DeAmazônia

MENU
Atualizado em 24/02/2020

'Tocou no seu corpo sem seu consentimento? É importunação sexual', alerta defensora pública

Coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher do AM, Pollyana Vieira explica que palavra-chave para identificar a importunação é “consentimento”

'Tocou no seu corpo sem seu consentimento? É importunação sexual', alerta defensora pública Defensora Pública Pollyana Vieira (FOTOS: Divulgação/DPE-AM)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Entender que beijar uma mulher à força se configura como importunação sexual é fácil. Em todo caso, a palavra-chave para identificar esse crime é “consentimento”, destaca a defensora pública Pollyana Vieira, que é a coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher da Defensoria Pública do Estado (Nudem-DPE-AM).

“Se há consentimento, está tudo lindo. Cada um faz com seu corpo o que quiser. O problema é consentimento. É o corpo da mulher e quem decide quem toca no corpo dela ou não é ela. Tocou no seu corpo sem seu consentimento? É importunação sexual”, esclarece a defensora.

Puxar pelo braço, agarrar a perna e beijar a bochecha. Tudo isso são exemplos de ações que caracterizam o crime de importunação sexual, definido pela Lei 13.718/2018 como ato libidinoso na presença de alguém de forma não consensual, com o objetivo de satisfazer o próprio desejo sexual ou o de terceiro.

“Segurar menina para outro rapaz beijar é crime também. Você pode satisfazer a sua lascívia ou a de outra pessoa. Não é só você diretamente. Isso é a importunação sexual. É um crime em que o infrator pode ser punido com prisão de um a cinco anos. A Lei que aborda esse crime é de setembro de 2018, e este é o segundo Carnaval com a criminalização da importunação”, destaca Pollyana.

A defensora pública também ressalta que, embora seja mais comum a agressão masculina, homens também podem ser vítimas de importunação. “Como qualquer crime, é preciso que seja feita a denúncia se encaminhando até a delegacia de polícia ou telefonando para o 180, que é a Central de Atendimento à Mulher”.


Se presenciar, denuncie

Muitas vezes, pela rapidez e por causa do ambiente em que acontece, como no tumulto das festas carnavalescas, o crime de importunação sexual não deixa vestígios. “A pessoa que presenciar um crime desse, pode denunciar, assim como se presenciar todo e qualquer crime”, afirma a defensora Pollyana.

Outra atitude importante nesses casos é chegar até a vítima, dizer que viu a importunação sexual ocorrer e se oferecer para acompanhá-la até a delegacia, caso ela queira denunciar o crime.

“Ou seja, você vai ser testemunha do que aconteceu. Então, a probabilidade daquele agressor ser pego é maior. É válido esclarecer, no entanto, que esse é um crime de ação penal pública incondicionada. Portanto, não é necessária a vontade da vítima para a ação penal continuar”, completa a defensora.

Defensoria Pública acolhe vítimas

Mulheres vítimas de importunação sexual ou qualquer forma de violência podem buscar a orientação jurídica da Defensoria Pública no Nudem. O Núcleo está localizado na rua Presidente Kennedy, 399, Colônia Oliveira Machado, zona sul de Manaus, e atende de segunda a quinta-feira, das 8h às 14h.

Sobe Catracas

NATHÁLIA FARIA, karateca amazonense

Do topo do ranking nacional de karatê, atleta chega à seleção brasileira da categoria de base pela terceira vez

Desce Catracas

ADONEI AGUIAR, prefeito de Curinópolis (PA)

Afastado do cargo por acusação de integrar esquema criminoso, STF negou pedido dele para retornar ao cargo