DeAmazônia

MENU
Atualizado em 20/02/2020

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO # Serviçal do mercado

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO # Serviçal do mercado Augusto Bernardo Cecílio

Muitos já acham que os ataques contra os servidores públicos e os chiliques e desequilíbrios do ministro da Economia podem ser resultantes de ter sido tão incensado como o cara que resolveria tudo, das promessas feitas e não cumpridas. A economia do Brasil patina e não ganha força, o dólar está nas alturas, o desemprego atinge índices alarmantes. O que fazer se ele não consegue entregar o que prometeu? Resolve atacar através de declarações irresponsáveis e agressivas para desviar o foco.

 

No dia 4 de março de 2019 o Portal da Exame publicou reportagem onde dizia que o dólar poderia depreciar 9% e chegar em R$ 3,40 caso a reforma da Previdência fosse aprovada de maneira integral. Hoje o dólar está batendo R$ 4,39 e assusta a todos. De quantas reformas do ministro precisamos para equilibrar esses números? As fichas já começaram a cair.

 

Um ministro deve ser revestido de vários predicados para ser levado a sério, e um dos pontos é respeitar para ser respeitado. E não adianta, nesse país, simplesmente agredir e depois apelar para o tradicional pedido de desculpas, dado que os estragos promovidos pela leviandade já foram espalhados.

 

As reações foram imediatas. Representantes de associações e federações rebateram rapidamente tais declarações e mostraram o papel e a importância dos servidores públicos e dos serviços públicos no Brasil.

 

Para o Sindireceita, “Não nos causou qualquer surpresa vê-lo se referir aos servidores, inclusive seus subordinados, como “parasitas”. Sabemos que é exatamente assim que ele, e muitos de seus colegas de governo, pensam. Destes, não esperamos qualquer consideração ou respeito, muito menos reconhecimento, sequer diálogo. Estamos na alça de mira, na lista dos proscritos”.

 

Afinal, somos o Estado. Sai governo, entra governo, permanecemos aqui, garantindo a democracia, cuidando da saúde de todos brasileiros que não podem pagar um plano de saúde, levando educação às suas crianças que não encontram oportunidades nas escolas particulares, evitando que epidemias venham a arrebatar milhares de vidas a cada surto, lutando e morrendo a cada dia no confronto direto com o crime organizado, mantendo as garantias judiciais essenciais à cidadania, arrecadando os impostos que financiam as aposentadorias, os programas sociais, tudo aquilo que traz algum alento de equidade a um país miseravelmente desigual.

 

Os únicos organismos que os servidores públicos “parasitas” atacam são os corpos podres da corrupção, do crime organizado, dos oportunistas que pilham os cofres públicos. Somos o obstáculo aos arroubos ditatoriais, a garantia do Estado Democrático de Direito, o muro que resiste à retirada progressiva de direitos do cidadão comum.

 

Pena que o bombardeio de mentiras faça àqueles que mais precisam dos serviços públicos acreditar que o Estado e seus agentes devam ser liquidados. Pena que a educação esteja ao alcance de uma minoria insensível e a ignorância planejada mantenha a imensa maioria solidária àqueles que lhe enganam e exploram. Pena que essa nação só venha a sofrer as consequências da obra de Paulo Guedes daqui a 15 ou 20 anos, quando as aposentadorias forem miseráveis, quando não restar mais qualquer direito para o assalariado e o Estado servir apenas aos governantes. Pena que a memória desse país seja tão curta e que acabemos sempre nas mãos dos oportunistas de plantão.

 

Para a Unafisco Nacional,  “Se partilhássemos da descompostura do ministro, poderíamos compará-lo a um serviçal do mercado, que promove a falência do Estado em detrimento do povo brasileiro. Falta não só elegância ao ministro Guedes, como patriotismo. O assédio institucional que vem sendo praticado pelo Sr. Paulo Guedes em relação aos servidores públicos já ultrapassa os limites legais e merece reação à altura”.

 

*O autor é auditor fiscal e professor*

Sobe Catracas

NATHÁLIA FARIA, karateca amazonense

Do topo do ranking nacional de karatê, atleta chega à seleção brasileira da categoria de base pela terceira vez

Desce Catracas

ADONEI AGUIAR, prefeito de Curinópolis (PA)

Afastado do cargo por acusação de integrar esquema criminoso, STF negou pedido dele para retornar ao cargo