Domingo, 05 de julho de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/02/2020

Contas do primeiro ano da Ageman são aprovadas pelo TCE-AM

Despesa executada pela Ageman em 2018 foi de R$ 1.409.167,94

Contas do primeiro ano da Ageman são aprovadas pelo TCE-AM Sede da Ageman (Foto – Divulgação TCE-AM e Semcom)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - As contas do primeiro ano de criação da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman) foram julgadas regulares pelo Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), durante sessão plenária da terça-feira (11/2).

 

“É com grande satisfação que vemos o resultado do primeiro ano de nossa gestão financeira ser aprovado pelo colegiado do tribunal. Significa dizer que nosso trabalho, o qual vem sendo realizado de forma transparente, está no caminho certo”, afirmou o diretor-presidente da Ageman, Fábio Augusto Alho da Costa, ressaltando que a Ageman foi criada na gestão do prefeito Arthur Virgílio Neto, estabelecendo um marco na regulação municipal.

 

A sessão foi conduzida pelo conselheiro-presidente do TCE-AM, Mario de Mello, com a presença dos conselheiros Júlio Pinheiro, responsável pela relatoria do processo, Josué Filho, Érico Desterro, Ari Moutinho Júnior, Yara Lins dos Santos e os auditores Mário Filho e Albert Furtado, além do procurador de Contas Carlos Alberto Souza, que atuou como procurador-geral interino.

 

A despesa executada pela Ageman em 2018 foi de R$ 1.409.167,94. O Relatório Circunstanciado das Atividades Econômico-Financeiras do exercício de 2018, em que foram apresentados os recursos que Fábio Alho administrou e o que foi aplicado durante o ano, foi entregue ao TCE-AM, por meio do sistema e-Contas, em cumprimento à Resolução nº 33/2012, ao artigo 9º da Lei Complementar nº 06/1991 e Resolução nº 006/2009.

Sobe Catracas

CILÉIA MESQUITA, tenente-coronel do Corpo de Bombeiros/PA

É a primeira mulher, em 27 anos, a assumir comando da Defesa Civil do Pará 

Desce Catracas

MÁRIO FILHO, prefeito de Marituba (PA)

Justiça Federal bloqueou R$ 7,4 milhões em bens do prefeito e secretária de educação, por suspeita de desvio de recursos do Fundef