DeAmazônia

MENU
Atualizado em 06/02/2020

Agricultores indígenas de 14 municípios do AM fornecerão merenda escolar à rede estadual

Anúncio foi feito nesta quinta-feira (06/02), durante a abertura dos envelopes da Chamada Pública Indígena da Secretaria de Educação

Agricultores indígenas de 14 municípios do AM fornecerão merenda escolar à rede estadual Agricultores indígenas de 14 municípios do Amazonas fornecerão merenda escolar à rede estadual (Foto: Eduardo Cavalcante)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Agricultores indígenas de 14 municípios do Amazonas concorreram à Chamada Pública para fornecer merenda às escolas da rede estadual e, nesta quinta-feira (06/02), tiveram a resposta positiva da Secretaria de Estado de Educação e Desporto sobre a aprovação. A abertura dos envelopes foi realizada no Centro de Formação Profissional Padre José Anchieta (Cepan), com acompanhamento de órgãos ligados à proteção de indígenas.

 

Os municípios de Alvarães, Anamã, Atalaia do Norte, Autazes, Borba, Carauari, Coari, Japurá, Manaus, Maraã, Pauini, São Paulo de Olivença, Tefé e Uarini têm representantes para atender as próprias cidades e às comunidades das proximidades.

 

Durante a manhã, os agricultores individuais e cooperados foram credenciados e receberam explicações sobre os insumos que irão fornecer, bem como as quantidades. A presidente da Comissão de Chamada Pública, Géssica Santos, diz que esta é a segunda vez que acontece uma chamada específica voltada à educação indígena.

 

“Tendo esse olhar para a alimentação específica indígena, a gente ajuda na fomentação da agricultura indígena e também na economia. Nós tentamos fazer o máximo de divulgação com os órgãos, principalmente, com a ADS [Agência de Desenvolvimento Sustentável], que está diretamente nos municípios, e por meio do Centro de Mídias (Cemeam), para que os coordenadores chegassem ao interiores mais distantes”, explica a presidente.

 

A representante da Cooperativa Indígena Nova Esperança, Elena Barbosa, de Tefé, disse que o maior benefício advindo da Chamada Pública foi a oportunidade de escoar os produtos que se estragavam nas comunidades, habitadas por indígenas das etnias Kokama, Cambeba, Miranha e Tikuna. A cooperativa inscreveu 21 agricultores.

 

“Hoje, abriu-se uma porta para que eles entreguem seus produtos nas escolas, e o bom disso é que os filhos deles são os consumidores, e isso vai ajudar bastante. Agora eles vão fornecer o cupuaçu, peixes como sulamba, tambaqui, jaraqui e curimatã”, ressalta Elena.

 

Zuza Cavalcante, indígena Mayoruna e técnico de projetos da Federação Estadual do Índio (FEI), destaca a renda que os agricultores indígenas terão. “É um momento histórico para os povos indígenas do Amazonas. É a primeira vez que se faz essa Chamada Pública abrangente e que traz benefícios econômicos, porque a entrega da produção é na própria escola, além de gerar merenda de qualidade para os alunos, gera economia na família”.

 

Chamada Pública para Merenda Indígena

A validade do contrato é de 12 meses, com atendimento para os 200 dias letivos de 2020. A iniciativa teve investimento de R$ 1,7 milhões para o oferecimento de alimentação escolar com qualidade, conforme §1º do art. 14 da Lei nº 11.947/2009 e Resolução/CD/FNDE nº 26, de 17 de junho de 2013, alterada pela Resolução/CD/FNDE nº 04, de 2 de Abril 2015, no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), e atende Nota Técnica do Ministério Público do Amazonas (MPF-AM) quanto à preservação e valorização dos costumes e tradições indígenas, especialmente referindo-se a particularidades na manipulação e a condições sanitárias na preparação dos alimentos que compõem a pauta da alimentação escolar indígena no estado do Amazonas.

 

A Secretaria de Educação e Desporto contou com a parceria o Ministério Público Federal do Amazonas (MPF/AM), mediante a Comissão Tradicional dos Povos da Amazônia  (Catrapoa), Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar (Cecane/Ufam), FEI, Fundação Nacional do Índio  (Funai) e Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal (Idam).

Tags:

Sobe Catracas

BI GARCIA, prefeito de Parintins

Vai demitir secretários que não colaboram com medidas de prevenção para evitar morte de pessoas pela pandemia de coronavírus

Desce Catracas

DOCA ALBUQUERQUE, prefeito de Terra Santa

Publicou decreto estranho que anula convocação de aprovados em concurso 2020 e abrirá processo seletivo