Domingo, 20 de setembro de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 24/01/2020

Balsa é presa transportando 100 mil litros de combustível irregular, em Manaus

Batalhão de Policiamento Ambiental encaminhou responsáveis pela embarcação para a Superintendência da PF

Balsa é presa transportando 100 mil litros de combustível irregular, em Manaus Batalhão de Policiamento Ambiental apreende embarcação transportando combustível sem licença na zona sul (Foto: Divulgação/PMAM)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Policiais militares do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAMB) apreendeu, na manhã dessa quinta-feira (23/01), uma embarcação transportando 100 litros de combustível sem licença ambiental, na orla de Manaus, zona sul.

 

A equipe realizava fiscalização de rotina na área da orla de Manaus, quando abordou uma embarcação com produtos derivados de petróleo, contendo 100 mil litros de diesel. Os policiais solicitaram ao condutor da embarcação que apresentasse a licença ambiental permitindo o transporte de produto perigoso, porém o homem não possuía a autorização.

 

Diante disso, os responsáveis pelo transporte foram encaminhados à Superintendência da Polícia Federal, para os procedimentos criminais cabíveis.

 

A ação contou com apoio da equipe de fiscalização do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), que realizou as autuações administrativas.

 

O Comando e o Batalhão Ambiental orientam a população que construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes, ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes, configura crime ambiental, sujeitando seu(s) autor(es) às penalidades previstas na lei.

Sobe Catracas

ORMY DA CONCEIÇÃO BENTES, desembargadora do AM

Magistrada foi eleita presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT11), para biênio 2020/2022

Desce Catracas

CHICO COSTA, ex-prefeito de Carauari

TCE-AM multou o ex-prefeito em R$134,6 mil por convênio irregular firmado com a Seduc em 2014