DeAmazônia

MENU
Atualizado em 20/01/2020

“Sou contra a escadinha. Defendo os 20% do IPI, como era no governo do PT”, afirma José Ricardo

Deputado federal lembrou que a ex-presidente Dilma prorrogou por 50 anos os incentivos da Zona Franca de Manaus

“Sou contra a escadinha. Defendo os 20% do IPI, como era no governo do PT”, afirma José Ricardo José Ricardo, deputado federal pelo Amazonas

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O deputado federal, José Ricardo (PT/AM), disse que é contra a escadinha para baixo proposto pelo presidente Jair Bolsonaro [ sem partido] para acabar com os incentivos do Polo de Concentrados de Refrigerantes da Zona Franca de Manaus. Zé Ricardo propôs o retorno dos 20% para o IPI [ Imposto sobre Produtos Industrializados] que o Polo Industrial tinha, à época, do governo PT.   

 

“Sou contrário à escadinha para baixo que Bolsonaro está propondo para o Amazonas. Defendo os 20% que tínhamos no Governo do PT, reduzido por Temer para 12% ou que o Governo Bolsonaro mantenha os 12%, já que ele prometeu que não iria mexer com a Zona Franca, em sua campanha eleitoral e reafirmou isso quando esteve aqui”, afirmou o parlamentar.

 

Ao fazer críticas ao governo Bolsonaro, Zé Ricardo lembrou que a ex-presidente Dilma prorrogou os incentivos da Zona Franca de Manaus por 50 anos.

 

“O povo está com saudades do Lula, que prorrogou os incentivos por 10 anos e Dilma por mais 50 anos. Nos governos deles a ZFM cresceu, o faturamento, a arrecadação do Estado e o emprego alcançou 123 mil trabalhadores. Eles ajudaram muito Manaus com as milhares de casas do Minha Casa, Minha Vida, na água do Proama, nas vagas no Ifam e Ufam para os jovens e as milhares de famílias com o Bolsa Família”, acentua José Ricardo.

 

O deputado petista disse que a redução iniciou no governo Temer e que agora a alíquota de 4% é um feito para fechar o setor em Manaus. “Isso significa que grandes empresas fabricantes como a Coca-Cola, Ambev e outros irão para outras regiões. Vão desempregar”, apontou.

 

NOVO PACOTE DE MALDADES

O deputado federal alerta que há novas medidas em curso do ministro de Bolsonaro, Paulo Guedes contra o Amazonas. “Tem projeto deles para acabar com os fundos de desenvolvimento e de investimentos públicos. Isto pode afetar o FNO, o Fundo de Desenvolvimento da Amazônia,  o Fundo da Marinha Mercante e outros; na Sudam, está demorando a aprovação de novos projetos para o Amazonas; na Suframa, nenhum investimento foi feito para ampliar a atuação para o interior do AM e para investir no Centro de Biotecnologia”, ressalta.

 

SECRETARIA ESPECIAL DA AMAZÔNIA

José Ricardo ressaltou que o governo que incentiva desmatamentos não tem planos de desenvolvimento para a Amazônia e que agora criou uma Secretaria Especial para a Amazônia, que não se sabe sua pretensão.

 

“Esse Governo não tem projeto de desenvolvimento para a Amazônia.  Na reforma tributária, querem acabar com o ICMS arrecadado pelo Estado e criar um imposto federal: vai cair o orçamento do Estado. Paulo Guedes queria permitir a importação de produtos de informática e celulares sem impostos, o que iria prejudicar e fechar fábricas em Manaus e inventaram um Plano Dubai que ninguém conhece e agora uma secretaria especial para a Amazônia, que não se sabe o que pretende”, protesta.

 

O governo federal deve fixar os incentivos em 8% e depois reduzir, gradativamente, em dois anos. “Querem acabar com a Zona Franca, infelizmente. Não podemos permitir. Vamos lutar pelos empregos dos trabalhadores”, concluiu José Ricardo.

Sobe Catracas

EMÍLIA FERRAZ, delegada de Polícia

Nomeada delegada geral da Polícia Civil do Amazonas, pelo governador, se torna primeira mulher a ocupar o cargo no estado

Desce Catracas

VALMIR CLÍMACO, prefeito de Itaituba (PA)

Pela segunda vez, Justiça condenou ele a suspensão dos direitos políticos, agora, por desvio de funções de servidores