DeAmazônia

MENU
Atualizado em 13/01/2020

Cerca de 210 alunos do interior são aprovados em universidades públicas

Estudantes da rede estadual ingressaram em pelo menos três universidades públicas: Ufam, UEA e Ifam

Cerca de 210 alunos do interior são aprovados em universidades públicas Foto: divulgação

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O tão esperado e desejado ingresso a universidade pública representa um período delicado de mudança e dedicação para os estudantes do Amazonas. Aproximadamente 210 alunos da Secretaria do Estado de Educação e Desporto foram aprovados em pelo menos três universidade públicas: Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Instituto Federal do Amazonas (Ifam).

 

Entre estes estudantes está o itacoatiarense Gustavo José Matos, da Escola Estadual Vital de Mendonça, que foi aprovado no curso de Medicina da UEA. De 18 anos, com pai taxista e mãe professora, é um dos 41 alunos do Ensino Médio de Itacoatiara a ingressar na universidade estadual e conta o processo de estudo até a tão sonhada vaga na faculdade.

 

“Além da rotina diária de estudos na escola, eu estudava pela parte da manhã, por meio de cursinho online, e pela parte da noite aproveitava para revisar o conteúdo ensinado”, recorda.

 

Gustavo acredita que, com a aprovação, outros estudantes podem se sentir estimulados a alçar novos caminhos. “O fato é que, enquanto estudava, eu tomava como exemplo alguns amigos que estavam na faculdade, ou seja, era uma motivação para eu estar lá dentro também, além de estar fazendo o curso que eu almejava”, disse.

 

Alunos de toda rede estadual do interior a capital foram aprovados em cursos na UEA, pelo Sistema de Ingresso Seriado (SIS) e pelo Macro. Os quase 210 estudantes foram aprovados na primeira chamada, sendo que outros ainda podem vir a ser aprovados nas demais fases. 

 

Para a coordenadora regional de Itacoatiara, Vanessa Meglioranza, mesmo com tantos percalços passados no interior do estado, somente no SIS, foram aprovados 41 alunos. Isso reflete o trabalho sério desenvolvido na instituição.

 

“Hoje, as escolas estão pautadas no ensino que prepare esse aluno para a universidade, que o engaje num protagonismo e estimule outros estudantes, não só de Itacoatiara, como também das comunidades ribeirinhas a tentarem o ingresso na universidade pública”, afirmou.

 

A estudante Emilay de Freitas Pereira, de 16 anos, também do município de Itacoatiara, foi aprovada no curso de Odontologia da UEA. A estudante da Escola Estadual Vital de Mendonça relata que, assim como o colega, os dias de dedicação foram muitos. “Além dos conteúdos passados na sala de aula, eu escolhi por continuar a estudar em casa por meio de videoaula, o que com certeza me auxiliou bastante na absorção das matérias”, revela Emilay.

 

A estudante é uma das primeiras da sua família a ingressar na faculdade. Filha de taxista e mãe desempregada, ela relata o quanto é importante se dedicar a um objetivo e ser exemplo não só para a sua família, mas também aos seus colegas.

 

“Acredito que toda conquista é capaz de estimular outras pessoas a se esforçarem mais, principalmente quando se trata de aprovações em universidades, o que é algo almejado por muitos jovens atualmente”, disse.

 

Vestibulares – No processo deste ano, a UEA ofereceu 3.379 vagas para os 37 cursos de oferta regular, incluindo 195 para alunos indígenas e 307 para Pessoa com Deficiência (PcD). Para o vestibular, foram 1.727 vagas, sendo 1.130 para a capital e 597 para o interior. Enquanto isso, o SIS disponibilizou 1.150 vagas, sendo 752 para a capital e 398 para o interior.

Sobe Catracas

DELISSA VIEIRALVES FERREIRA, promotora de Justiça

Ação Civil Pública, em conjunto com a promotora Nilda Silva, derrubou na Justiça decisão da Seduc de militarizar Escola Tiradentes, em Manaus

Desce Catracas

RAYLAN BARROSO, prefeito de Eirunepé

Foi cobrado pelo MPF para fazer processo seletivo, pagar funcionários indigenas e regularizar merenda escolar