DeAmazônia

MENU
Atualizado em 09/01/2020

"A Feiticeira Maravilhosa" estreia neste domingo (12) na Academia Amazonense de Letras

A peça de teatro infanto-juvenil conta as aventuras de crianças ribeirinhas do Amazonas; entrada é gratuita

Na peça, duas crianças conquistam a confiança de uma feiticeira que vive na mata (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - A peça teatral “A Feiticeira Maravilhosa” estreia neste domingo (12/1), na sede da Academia Amazonense de Letras, localizada na avenida Ramos Ferreira, Centro de Manaus. A encenação será realizada pela Interarte Produções e é o primeiro espetáculo da companhia de 2020.

 

O espetáculo, inspirado na obra do o poeta e escritor amazonense Elson Farias, conta as aventuras de crianças no interior do Amazonas. A montagem da apresentação surgiu a partir do edital de apoio à produção e montagem dos imortais da Academia Amazonense de Letras, no qual a Interarte foi premiada.

 

O espetáculo se passa numa cidade no coração da Amazônia, onde vivem as crianças Menina Zuzu, Mana Mimi, Zezé e o Primo Duquinha cercadas de natureza com muitas árvores, aves e animais. Todos em perfeita harmonia. Atentas às cantigas e histórias das lavadeiras na beira do rio, as crianças descobrem que, na floresta, vive uma Feiticeira muito misteriosa e, segundo as falações, muito feia.

 

Curiosos, Zezé e Primo Duquinha partem em busca da Feiticeira e, ao cair da noite, conhecem uma floresta cheia de sons e habitantes desconfiados. As corujas e os sapos comentam sobre a presença dos dois meninos e logo a Feiticeira fica sabendo e não gosta da notícia.

 

A adaptação e direção da peça são de Roger Barbosa e no elenco estão Allícia Castro, Ariane Feitoza, Clayson Charles, Marcia Amorim e Raphael Frota.

 

Os figurinos são inspirados nas ilustrações de Marcio Matias no livro publicado pela Editora Valer, seguimos as cores e estilos que levam a um conjunto interiorano para o núcleo das lavadeiras e das crianças. Para os personagens animais foram confeccionados bonecos a partir de cestos e abanadores.

Sobe Catracas

DELISSA VIEIRALVES FERREIRA, promotora de Justiça

Ação Civil Pública, em conjunto com a promotora Nilda Silva, derrubou na Justiça decisão da Seduc de militarizar Escola Tiradentes, em Manaus

Desce Catracas

RAYLAN BARROSO, prefeito de Eirunepé

Foi cobrado pelo MPF para fazer processo seletivo, pagar funcionários indigenas e regularizar merenda escolar