DeAmazônia

MENU
Atualizado em 08/01/2020

Bolsonaro não prorroga e baixa para 4% incetivos as indústrias de refrigerantes da ZFM

Presidente publicou decreto que retira incentivos do PIM, apesar das pressões da Coca-Cola, Ambev e da bancada do AM

Bolsonaro não prorroga e baixa para 4% incetivos as indústrias de refrigerantes da ZFM Sede da Superintendência da Zona Franca de Manaus, na capital amazonense

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Um duro golpe contra a Amazônia. Apesar das pressões da Coca-Cola Brasil, Ambev e dos deputados e senadores da bancada amazonense no Congresso, o presidente da República Jair Bolsonaro [sem partido] decidiu reduzir de 10% para 4% os benefícios tributários para a produção de refrigerantes na Zona Franca de Manaus. 

 

A informação é do Jornal Valor Econômico em matéria publicada na tarde desta quarta-feira (08/01), assinada pelos jornalistas Rapahel de Cunto e Fábio Graner.

 

Bolsonaro, aproveitou o recesso do Congresso, e decidiu seguir a mesma medida adotada pelo ex-presidente Michel Temer (MDB), no primeiro golpe contra o Polo Industrial de Manaus, que por meio de decreto reduziu 20% para 4% os incentivos.

 

Em julho de 2019, por causa da reforma de previdência, Bolsonaro publicou decreto 9.897, elevando a alíquota do IPI ( Imposto sobre Produtos Industrializados) de 8% para 10%, com validade somente entre o período de 1º de outubro a 31 de dezembro de 2019.

 

Mas, agora na primeira semana útil de janeiro de 2020, o presidente da República baixa um decreto que pode fechar as fábricas de refrigerantes instaladas em Manaus.  

 

Segundo o Valor, em relação ao impacto original do incentivo do governo federal que era de 20%, o prejuízo para a empresas de refrigerantes do PIM é de R$ 2,1 bilhões.  

 

Para o jornal, Bolsonaro seguiu recomendações do ministro da Economia, Paulo Guedes, que sempre demonstrou-se contra a manutenção dos subsídios no Amazonas.  

 

“Vamos ter que atuar de forma dura”, disse ao Valor, o deputado federal, Sidney Leite (PSD), referindo-se a mobilização das bancadas do Norte e Nordeste, na tentativa de reverter a decisão de Bolsonaro.

DEAMAZONIA.COM.BR 

Sobe Catracas

DELISSA VIEIRALVES FERREIRA, promotora de Justiça

Ação Civil Pública, em conjunto com a promotora Nilda Silva, derrubou na Justiça decisão da Seduc de militarizar Escola Tiradentes, em Manaus

Desce Catracas

RAYLAN BARROSO, prefeito de Eirunepé

Foi cobrado pelo MPF para fazer processo seletivo, pagar funcionários indigenas e regularizar merenda escolar