DeAmazônia

MENU
Atualizado em 31/12/2019

Estudo mostra que caramuri tem três vezes mais vitamina C que a laranja

A pesquisa foi realizada com o apoio do Governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas

Estudo mostra que caramuri tem três vezes mais vitamina C que a laranja Caramuri tem três vezes mais vitamina C que a laranja (Fotos: Érico Xavier)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Pesquisa aponta que o caramuri (Caramuri Pouteria elegans), fruto nativo da Amazônia, possui alta composição de potássio, ferro e magnésio, além de conter mais vitamina C do que a laranja. Os resultados do estudo desenvolvido no Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), foram publicados no Journal of Food Properties, com o artigo Aromatic and nutritional profile of an Amazonian autochthonous species, Caramuri Pouteriaelegans (A.DC.) Baehni.



O trabalho é resultado do projeto “Frutos Amazônicos para produção de Alimentos Funcionais” apoiado pela Fapeam, por meio do programa Universal Amazonas edital nº 030/2013, desenvolvido pelos pesquisadores do Inpa/MCTI, Francisca das Chagas do Amaral Souza e Jaime Paiva Lopes Aguiar.

 Dra. Francisca Chagas e Dr. Jaime Aguiar (Fotos: Érico Xavier)

 

O artigo foi assinado também pelos pesquisadores Dionísia Nagahama, além do bolsista de pós-doutorado, Edson Silva, e o professor do Centro de Estudos Superiores de Tefé (Cest – UEA), Raimundo Junior.



Segundo Jaime Aguiar, o estudo buscou englobar o fruto para analisar seus constituintes nutricionais. “Constatamos que Caramuri é muito rico em minerais, fibra, magnésio, ferro, cálcio, potássio. Além de toda essa composição nutricional, descobrimos também  que ele é muito rico em fibras solúveis e fibras insolúveis e que possui o triplo de Vitamina C que a laranja” conta.



Potencial para ser utilizado pela indústria

Francisca Chagas destaca que não existia estudo científico para a fruta e que o resultado da pesquisa indicou que o Caramuri tem potencial para ser utilizado pela indústria alimentícia e farmacêutica.

Caramuri (Fotos: Érico Xavier)



“Através da pesquisa, descobrimos que existe uma comunidade conhecida por 'Caramuri', o mesmo nome da fruta, que está interessada na utilização do fruto, devido à boa quantidade de produção. Agora é unir as forças, o conhecimento científico com os produtores e ver os possíveis produtos que poderão ser obtidos a partir dessa matéria-prima, obtendo uma farinha, ou uma bebida, o que for viável. Vamos testar para repassar esse conhecimento para a comunidade e quem sabe futuramente gerar produtos alimentícios”, relata.



Chagas explica que, além do valor nutricional, foi detectado o valor funcional do fruto que também é um dos focos do estudo. “Observamos que ele é rico em antioxidante, dentre eles o Pileno e também antimicrobiano. Identificamos uma série de compostos pertencentes à classe dos monoterpenos e terpenóides, compostos não apenas de interesse para a indústria alimentícia como também para a indústria farmacêutica”.



Caramuri

Aguiar explica que o período de frutificação do Caramuri é de setembro a fevereiro, com árvores podendo chegar a 30m de altura. “É uma fruta pouco difundida na região principalmente porque existe uma cultura que diz que ela só aparece a cada 4 anos, por meio da pesquisa descobrimos que ela pode ser reproduzida em menos tempo”, disse.



Francisca Chagas ressalta a importância da pesquisa para a sociedade. “A ideia de fato é poder confirmar o potencial nutricional e funcional dos frutos da Região Amazônica,  ampliando nosso leque de estudos e aumentando a quantidade de frutos estudados. Com o apoio da Fapeam, foi possível realizar esse estudo, para aumentar esse conhecimento por meio da pesquisa e mostrar para a população que  temos  grande potencial ainda a ser explorado na nossa região”, comenta.



Universal Amazonas

 Programa Universal Amazonas realizado pela Fapeam tem o objetivo de financiar atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, ou de transferência tecnológica, em todas as áreas do conhecimento, que representem contribuição significativa para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental do Amazonas em instituição de pesquisa ou ensino superior ou centro de pesquisa, públicos ou privados, sem fins lucrativos, com sede ou unidade permanente no Estado.

Sobe Catracas

ARTHUR NETO, prefeito de Manaus

Prefeitura é a segunda do país em investimentos com recursos próprios 

Desce Catracas

JENDER LOBATO, presidente do boi Caprichoso

Agremiação que propaga defesa da floresta e dos povos indígenas é omissa contra ataques do Governo Federal à Amazônia