Domingo, 20 de setembro de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 24/12/2019

Influenciadoras de Manaus reproduzem cena icônica de 'Meninas Malvadas'

A produção, dirigida pelo filmaker Ramon Ítalo, contou com Bruna Castro, Huma Kimak, Ellen Falcão e Evelyn Félix

Influenciadoras de Manaus reproduzem cena icônica de 'Meninas Malvadas' Cena de ‘Jingle Bells Rock’ (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Com a chegada do Natal e buscando oferecer um conteúdo diferenciado para seus respectivos seguidores, um time de influenciadoras do Amazonas, formado por Bruna Castro, Huma Kimak, Ellen Falcão e Evelyn Félix, decidiu reproduzir uma cena icônica do filme ‘Meninas Malvadas’, protagonizado por Lindsay Lohan, e que toma conta da internet nesta época do ano. 

 

As gravações, que aconteceram nas dependências da Escola Nilton Lins e foram dirigidas pelo filmaker Ramon Ítalo, mostra as influenciadoras dançando a música ‘Jingle Bells Rock’. (Link para baixar o vídeo: http://ow.ly/zoTP50xGV6a)

 

 “Nossa ideia, claro, foi levar um conteúdo diferenciado para os seguidores, mas também incentivar outras pessoas a também produzirem conteúdos diversificados para a internet. E o resultado ficou muito bacana”, conta Bruna Castro. O vídeo está disponível desde o último sábado (21).

 

Além da cena de ‘Jingle Bells Rock’, as influenciadoras reproduziram outras cenas do longa-metragem. Cada uma delas encarnou uma personagem. Bruna deu vida a Regina George, Huma atuou como Candy Heron, Ellen foi Karen Smith e Evely foi Gretchen Wieners.

 

 “O vídeo já teve mais de 60 mil visualizações, isso é sinal de que foi muito bem aceito. Já estou pensando outras novidades que, em breve, todos deverão ficar sabendo. Acho que o momento pede, cada vez mais, conteúdos criativos e interativos”, finaliza Bruna.

Sobe Catracas

ORMY DA CONCEIÇÃO BENTES, desembargadora do AM

Magistrada foi eleita presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT11), para biênio 2020/2022

Desce Catracas

CHICO COSTA, ex-prefeito de Carauari

TCE-AM multou o ex-prefeito em R$134,6 mil por convênio irregular firmado com a Seduc em 2014