DeAmazônia

MENU
Atualizado em 19/12/2019

Sob o protesto de professores, deputados do Pará aprovaram PEC da Previdência Estadual

Professores do Pará deflagraram greve nesta terça (17) contra o que eles chama de “Pacote de Maldade” do governador

Sob o protesto de professores, deputados do Pará aprovaram PEC da Previdência Estadual Deputados aprovam PEC de Reforma da Previdência, em 1º turno (Foto: Baltazar Costa/Alepa)

DEAMAZÔNIA BELÉM, PA - Os deputados aprovaram em 1º turno o projeto de Emenda à Constituição do Pará, a PEC 16/2019 que altera o sistema de previdência do Estado, definindo novas regras de transição e disposições transitórias. Com 32 votos a seis, em sessões sucessivas, que se estenderam de 9h até às 19h desta quarta-feira (18/12). Na sessão de hoje estavam 40 deputados, tendo apenas um ausente por licença.

 

A partir desta terça-feira (17/12), professores do Pará, por meio do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (SINTEPP), deflagraram greve, em Belém, por tempo indeterminado, contra a as mudanças na previdência, propostas pelo Governo do Estado, e que os servidores chamam de “Pacote de Maldade” do governador Helder Barbalho (MDB). Segundo o Sindicato, 100 municípios do estado aderiram a paralisação.

 

A pauta que contava com mais 23 projetos, votou, ainda em segundo turno, os quatro projetos - sendo três de Lei Complementar e um Projeto de Lei – que, com a Emenda Constitucional, compõem o que se denominou de Reforma da Previdência Estadual, que procura adequar a estrutura do Estado do Pará à Reforma da Previdência Federal, aprovada já na administração do presidente Jair Bolsonaro.

 

Os parlamentares aprovaram ainda a convocação de um período extraordinário do Poder Legislativo a partir do dia 23 de dezembro, com início às 13h para esgotar os projetos do Poder Executivo em pauta e votar o Projeto de Lei Orçamentária 2020, sem isso os parlamentares não entram em recesso.

 

O PROJETO

As alterações constantes na Reforma da Previdência Estadual foram distribuídas nas três propostas de Lei Complementar (10/2019, 11/2019 e 12/2019), no Projeto de Lei (386/2019) e as que se inscrevem no texto da Constituição Estadual, autorizadas na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 16/2019.

 

Uma única emenda aceita em todos os projetos que compõem a reforma foi a que suprimiu o teor do artigo 95, que restringia o direito a licença para desempenho de mandato sindical, em confederação, federação, sindicato representativo da categoria, associação de classe de âmbito local e/ou nacional, constante no PL 386/2019. Esta emenda, originalmente, fora apresentada pelos deputados da bancada do PT, mas no desenrolar das negociações ela foi subscrita pela liderança do governo e pelas demais.

 

MUDANÇAS

As principais mudanças contidas nos projetos incidem no aumento da contribuição de civis ativos de 11% para 14% - uma imposição da União aos estados com Previdência deficitária, enquanto a do Estado vai de 18% para 23%. Militares pensionistas e militares inativos, atualmente não taxados, passam a contribuir com 11%.

 

A mudança se estende ainda aos itens que estabelecem idade mínima para aposentadoria, a homens e mulheres (65 e 62 anos) e tempo mínimo de contribuição (35 e 30 anos). Garantia da pensão por morte ao descendente até os 21 anos, e não só aos 18, como é atualmente.

 

Aposentadoria aos servidores não estáveis tratados como estatutários pelo tempo de serviço; teto referente ao Regime Geral da Previdência para percentual destinado à concessão de auxílio-funeral; não incorporação previdenciária obrigatória de gratificação de vida, de modo que o valor só seja pago enquanto ocorre a atuação que justifique o abono; e novas regras de adesão à Previdência Complementar, alcançando obrigatoriamente somente aqueles que ainda irão se aposentar.

 

A PEC aprovada recebeu 40 emendas, sendo cinco supressivas, oito aditivas e 28 modificativas, tendo sido todas elas rejeitadas pela maioria dos deputados da base governista, sendo 33 por votação nominal e 7 que ficaram prejudicadas devido ao não acolhimento das anteriores.

 

Várias destas emendas rejeitadas incidiam sobre a progressividade na cobrança das alíquotas, uma apresentada pela deputada doutora Heloísa Guimarães (DEM), escalonava em sete faixas variando de 11% a 14% e foi a que obteve maior número de sim, 12 votos contra 21 de deputados da base governista.

 

Reformas na Polícia Militar

Em 2º turno, foram aprovados também mais dois projetos do Poder Executivo, um que institui o Código de Ética e Disciplina da Polícia Militar, alterando lei estadual e outro que dispõe sobre o Estatuto dos Policiais da PM.

 

Em Redação Final, foram aprovados ainda a Lei Complementar que dispõe sobre a organização básica da PM e seu efetivo e outro Projeto de Lei ordinária que altera a Lei Estadual de n.º 6.626/2004, que atualiza os critérios de ingresso na PM-Pará, projetos que seguem agora para a sanção do governado Helder Barbalho.

Sobe Catracas

LUIZ PACHECO, presidente da Escola de Samba Aparecida

Escola de Samba Mocidade Independente de Aparecida foi campeã do Carnaval de Manaus 2020

Desce Catracas

JOSÉ LUIZ FELÍCIO FILHO, presidente da MAP/Passaredo

Map Passaredo Linhas Aéreas deixou o trecho Parintins-Manaus-Parintins sem voos durante os três dias do Carnaval