DeAmazônia

MENU
Atualizado em 23/11/2019

Empreendedorismo indígena de Santarém concorre a Prêmio Nacional

Quem representa a cidade na disputa é Marcelo Gananca, fundador da loja Araribá Cultura Indígena, em Alter do Chão

Empreendedorismo indígena de Santarém concorre a Prêmio Nacional Marcelo Gananca, proprietário da da loja Araribá, em Santarém (Divulgação)

Uma das mais autênticas manifestações culturais da Amazônia, o artesanato, pode trazer à Santarém o Prêmio Nacional do Ministério de Turismo 2019, na categoria micro e pequenos empreendedores. Quem representa a cidade na disputa é Marcelo Gananca, fundador da loja Araribá Cultura Indígena, localizada em Alter do Chão e que reúne a produção de aproximadamente 300 caboclos, ribeirinhos e indígenas de mais de 80 etnias amazônicas.

 

Há 20 anos, o empreendedor trocou a agitação de São Paulo pela calmaria que encontrou na vila, que fica a 37 km do município de Santarém. No coração da Amazônia, Marcelo conheceu e investiu no potencial da arte indígena exposta na loja desde 1999.

 

A iniciativa que visa resgatar e incentivar a arte manual e as raízes culturais dos povos da Amazônia se tornou atração turística em Alter do Chão e colocou Marcelo entre os cinco finalistas do Prêmio, após ter concorrido com outros 700 candidatos do país. O resultado foi divulgado no dia 14 de novembro.

 

O Prêmio Nacional do Turismo está em sua 2ª edição e o nome do vencedor será divulgado no dia 4 de dezembro, em Belo Horizonte (MG).

 

“É uma fonte de renda muito legal pra eles e a loja também já virou referência. Não só pra quem quer consumir, mas também pra quem quer conhecer a cultura dos povos tradicionais da Amazônia”, disse Gananca.

 

Antropólogos e historiadores são público fiel da Araribá. A loja, que constantemente é confundida com centro cultural, também é a favorita de colecionadores de artefatos amazônicos raros. Cada elemento é rigorosamente catalogado e etiquetado com informações sobre o povo que o confeccionou.

 

O acervo é monumental e guarda um tesouro amazônico. São ornamentos, instrumentos musicais, cerâmicas, artefatos, cestaria, tecidos, arco e flechas, zarabatanas e outros objetos desconhecidos da maioria.

 

Além de reconhecimento, a pretensão do Mtur é que iniciativas como a loja Araribá sejam replicadas em outros destinos brasileiros gerando engajamento para contribuir para o desenvolvimento do turismo no Brasil.

 

Os finalistas são escolhidos por votação popular, via site do Mtur, até o dia 1º de dezembro.

 

Marcelo depende do apoio dos internautas para vencer a competição e trazer o título para a Amazônia. Ele concorre com outros quatro finalistas de Santa Catarina, Minas gerais, Paraná e São Paulo. Para votar é só acessar o site do Ministério do Turismo.

Sobe Catracas

LUIZ PACHECO, presidente da Escola de Samba Aparecida

Escola de Samba Mocidade Independente de Aparecida foi campeã do Carnaval de Manaus 2020

Desce Catracas

JOSÉ LUIZ FELÍCIO FILHO, presidente da MAP/Passaredo

Map Passaredo Linhas Aéreas deixou o trecho Parintins-Manaus-Parintins sem voos durante os três dias do Carnaval