DeAmazônia

MENU
Atualizado em 21/11/2019

Risco de desmoronamento fecha também prédio do porto de Parintins

Além de rompimentos na ponte, muro de arrimo do próprio porto apresenta danos estruturais

Risco de desmoronamento fecha também prédio do porto de Parintins Porto de Parintins está fechado desde o dia 15 de novembro

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O Porto de Parintins foi fechado no dia 15 de novembro, pela Capitania dos Portos, devido ao rompimento de elos da ponte das balsas e também por causa de risco de desmoronamento do muro de arrimo que sustenta o prédio do terminal hidroviário.

 

A informação é do vice-prefeito de Parintins, Tony Medeiros, após reunir com representantes da Administração Hidroviária da Amazônia Ocidental (Ahimoc), órgão da pasta do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes ( Dnit), que estiveram no início da semana vistoriando o porto. A entrevista do vice foi concendida a Rádio Clube. 

 

O prédio, onde há risco de desmoronamento, vai ficar fechado por seis meses, segundo informou Medeiros, até que haja reparos na base de contenção. 

 

Já a ponte e balsas, vão passar por reparos, mas não há previsão de quando volta a funcionar.

 

No entanto, a Prefeitura de Parintins obteve a liberação do estacionamento do porto para atracações de pequenas embarcações.

 

Outros barcos estão utilizando o porto improvisado do 'Dodó Carvalho', que funciona de modo precário para receber passageiros e cargas.

 

O Porto de Parintins é uma obra do governo federal, e foi construído pelo Exército Brasileiro em 2004. Foram gastos na construção mais de R$ 25 milhões. Na primeira enchente o porto foi para o fundo e teve que passar por mais duas reformas.  

Sobe Catracas

DELISSA VIEIRALVES FERREIRA, promotora de Justiça

Ação Civil Pública, em conjunto com a promotora Nilda Silva, derrubou na Justiça decisão da Seduc de militarizar Escola Tiradentes, em Manaus

Desce Catracas

RAYLAN BARROSO, prefeito de Eirunepé

Foi cobrado pelo MPF para fazer processo seletivo, pagar funcionários indigenas e regularizar merenda escolar