DeAmazônia

MENU
Atualizado em 25/10/2016

MPF/AM requer que Iphan e governo do AM adotem ações emergenciais na Santa Casa

MPF/AM requer que Iphan e governo do AM adotem ações emergenciais na Santa Casa Fechado há 12 anos, o prédio construído em 1880 vem sofrendo com a deterioração pelo tempo e pela ação de vândalos. (Foto: Robervaldo Rocha/CMM)

MANAUS -  O Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) entrou com ação cautelar, nesta terça-feira (25), para obrigar, na Justiça, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) a elaborar e o governo do Amazonas a executar um plano de ações emergenciais para evitar a ruína e o desabamento do prédio da Santa Casa de Misericórdia de Manaus, situado no perímetro tombado pelo instituto como 'Centro Histórico de Manaus' desde 2010.

 

A ação do MPF também pede que o governo do Amazonas restabeleça o serviço de vigilância e segurança patrimonial, suspenso desde o último dia 3 de agosto deste ano. Fechado há 12 anos, o prédio construído em 1880 vem sofrendo com a deterioração pelo tempo e pela ação de vândalos, correndo perigo de dano irreparável ao bem tombado, com risco até de desabamento, o que se agravou com a retirada da empresa de segurança do local.

 

Uma recomendação expedida pelo MPF/AM em maio de 2014 propôs a adoção de ações pelo Iphan e o Governo do Estado do Amazonas para restauração e conservação do prédio histórico, o que não foi atendida e levou o órgão a recorrer à Justiça. O caso vem sendo acompanhado pelo MPF desde 2013, quando o próprio Iphan encaminhou relatório de inspeção que atestou o status de abandono e degradação do prédio da Santa Casa de Misericórdia. Em 2014 e 2015, novas inspeções realizadas constataram a destruição de esquadrias e peças de madeira, falta de parte do telhado original, risco de desabamento de forro e presença de rachaduras e trincas nas paredes, entre outros problemas.

 

O MPF pede à Justiça que o plano de ações emergenciais, incluindo cronograma de execução, seja apresentado em no máximo dez dias, sob pena de multa diária de R$ 5 mil, a incidir sobre o patrimônio pessoal da Superintendente do Iphan no Amazonas, em caso de descumprimento.

 

Já o governo do Amazonas deve iniciar a execução do plano de ações no prazo máximo de dez dias, bem como cumprir pontualmente o cronograma de execução estipulado pelo Iphan, também sob pena de multa diária de R$ 5 mil, a incidir sobre o patrimônio pessoal da autoridade pública responsável pelo descumprimento.

 

Em relação à segurança do prédio, a ação requer o restabelecimento da vigilância mediante atuação contínua, preferencialmente armada, no prazo máximo de dez dias, sob pena de multa diária no valor de R$ 5 mil, a incidir sobre o patrimônio pessoal da autoridade pública responsável pelo cumprimento da decisão.

 

Responsabilidade pelo restauro

 

De acordo com o procurador da República Rafael da Silva Rocha, autor da ação cautelar, o pedido à Justiça em caráter de urgência tem como objetivo de afastar perigo iminente de dano grave e irreparável ao patrimônio histórico. “Vale ressaltar, ainda, que a medida se preocupa em resguardar os interesses do erário estadual. Evidentemente, quanto maior a depredação do patrimônio, maior será o volume de recursos públicos destinados à recuperação do bem”, sustenta Rocha.

 

Na ação, o procurador da República afirma que a responsabilidade em garantir a preservação do imóvel tombado e todo o acervo que abriga cabe ao governo do Estado, já que, em outubro de 2014, declarou a utilidade pública do imóvel onde está sediada a Santa Casa de Misericórdia, para fins de desapropriação, por meio do Decreto nº 35.301/2014. A ação cita ainda o reconhecimento pela própria Secretaria de Cultura do Amazonas do valor histórico e cultural da Santa Casa de Misericórdia de Manaus.

Com informações de assessoria

Tags:

Sobe Catracas

LUIZ PACHECO, presidente da Escola de Samba Aparecida

Escola de Samba Mocidade Independente de Aparecida foi campeã do Carnaval de Manaus 2020

Desce Catracas

VILSON GONÇALVES, prefeito de Aveiro (PA)

Virou alvo da Justiça em processo criminal acusado de recolher ICMS de mercadoria para exportação sem comprovar para Sefa saída do produto