DeAmazônia

MENU
Atualizado em 25/10/2016

TJ-AM mantêm sentença contra TV Bandeirantes e apresentador Danilo Gentili

TJ-AM mantêm sentença contra TV Bandeirantes e apresentador Danilo Gentili Desembargador Wellington José de Araújo. (Foto: Reprodução/TRE-AM)

TJ-AM - A Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Amazonas negou provimento aos recursos contra uma decisão de 1º grau, em que a juíza Maria Eunice Torres do Nascimento julgou procedente a indenização de R$ 20 mil por danos morais a serem pagos solidariamente pela Rádio e Televisão Bandeirantes Ltda e pelo apresentador Danilo Gentili Júnior à requerente Yonara Amaral de Lira. 

 

Segundo o processo, a autora ? conhecida como Yonara Santo, no meio evangélico ? afirma ter sido surpreendida com comentários em mesa redonda sobre a visão espiritual com base na crença religiosa a qual professa, com desrespeito, afirmações afrontosas e inescrupulosas, no programa “Agora é Tarde”, com o quadro intitulado “Mesa Vermelha”, em 2013. 

 

“Importante destacar que sob o manto da liberdade de expressão não está, a imprensa, autorizada a ultrajar e denegrir à honra e dignidade da pessoa humana”, afirma a juíza em trecho da decisão, em dezembro de 2014. 

 

Yonara recorreu para aumentar a indenização, enquanto Gentili argumentou, entre outras coisas, que não tinha a intenção de ofender, mas de fazer graça para o público rir. A Band afirmou que “muito antes de terem sido tecidos comentários no programa 'Agora é Tarde', já havia grande repercussão sobre os depoimentos da pastora”, e citou o caso de um vídeo na internet com mais de 5 mil comentários, “em sua maioria criticando e satirizando o depoimento da pastora”. 

 

No 2º grau, a decisão de manter a indenização foi unânime, conforme o voto do relator, desembargador Wellington José de Araújo, na sessão da última segunda-feira (17). 

 

“Entendo que o valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) mostra-se consentâneo com os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, sendo suficiente tanto para reparar a dor moral sofrida pela autora quanto para atender ao caráter punitivo-pedagógico da condenação, motivo pelo qual deve ser mantida a condenação arbitrada em primeiro grau”, afirmou o relator, desembargador Wellington José de Araújo.  

 

Tags:

Sobe Catracas

NATHÁLIA FARIA, karateca amazonense

Do topo do ranking nacional de karatê, atleta chega à seleção brasileira da categoria de base pela terceira vez

Desce Catracas

ADONEI AGUIAR, prefeito de Curinópolis (PA)

Afastado do cargo por acusação de integrar esquema criminoso, STF negou pedido dele para retornar ao cargo