Segunda, 10 de agosto de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 02/03/2015

Professores vão a Câmara e ameaçam greve em Parintins

Professores vão a Câmara e ameaçam greve em Parintins Joelma Farias, em primeiro plano

 

Não houve acordo entre o Sindicatos dos Professores de Parintins e a Prefeitura e agora os educadores ameaçam entrar em greve e denunciar o prefeito Alexandre da Carbrás e a secretária de Educação, Eliane Melo, ao Ministério Público Estadual (MPE) ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e ao Tribunal de Contas da União (TCU). Hoje, a comissão de professores estará na Câmara de Vereadores e entregarão ao parlamentares documentos exigindo que a Prefeitura cumpra o pagamento de reajuste do piso salarial da categoria equivalente a 13%.

 

“A secretaria de Educação ( Eliane Melo) reuniu com a gente e disse que a Prefeitura não tem como pagar o reajuste porque esse dinheiro não chegou. A estimativa é somente para abril. Mas nó sabemos que tem esse dinheiro”, afirmou a presidente do Sindicato, Joelma Farias. “Sábado nós iremos fazer nova assembléia geral e decidir pela paralisação. Vamos explicar aos pais dos alunos o motivo da greve”, completou Joelma.

 

De acordo com Joelma, o sindicato tentou por inúmeras vezes um a acordo com a Prefeitura, sobre o pagamento do piso, afim de evitar uma possível paralisação, mas em todas as investidas as respostas do Executivo teria sido negativo. “Vamos a Câmara pedir apoio dos vereadores e mostrar quantas vezes tentamos o acordo. Queremos saber também em que está sendo usado os recursos do Fundeb”, conclui a presidente.

 

O blog deAmazônia tentou falar com a secretaria Eliane Melo sem sucesso. A assessoria de imprensa também foi informada sobre o assunto, mas não retornou as ligações.

www.deamazonia.com.br

Tags:

Sobe Catracas

MARCIA PERALES, presidente da FAPEAM

600 projetos de pesquisa e inovação de professores de Manaus e interior do Estado foram aprovados, com aumento de 22% relacionados a 2019

Desce Catracas

JOSUÉ NETO, presidente da ALE/AM

Após repercussão negativa de boicote ao governo, teve que recuar, pedir trégua e destravar pautas