DeAmazônia

MENU
Atualizado em 22/10/2016

José Aldo volta atrás e admite repensar aposentadoria do UFC

José Aldo volta atrás e admite repensar aposentadoria do UFC

O brasileiro José Aldo garantiu que está disposto a repensar sua aposentadoria do MMA. Depois de viajar para Las Vegas (EUA) para conversar com os promotores do UFC, o campeão interino dos pesos-penas (66 kg) usou suas redes sociais para indicar que novidades estão por vir.

 

 

Em uma mensagem curta e direta, o atleta, que declarou no início do mês que havia perdido a vontade de competir, afirmou que os intensos pedidos dos fãs e as conversas com sua família podem fazê-lo mudar de opinião e retomar sua carreira.

 

"Repensando na aposentadoria do MMA. Conversei com minha família e vendo os pedidos dos meus fãs… Coisas boas virão para vocês. Thanks Russia", narrou.

 
Curiosamente, após uma primeira reunião com Dana White no início da semana, o atleta garantiu que continuava disposto a parar de competir. A curiosidade, no entanto, é a menção a Rússia em sua mensagem. Afinal, ele não mencionou que poderia voltar ao UFC, mas assim ao MMA, fato que levantou dúvidas entre os fãs.

 

Aos 30 anos, Aldo possui um dos currículos mais vitoriosos da história do esporte. Primeiro campeão de sua categoria no UFC, o brasileiro foi superado por Conor McGregor em dezembro de 2015 e, desde então, iniciou uma verdadeira batalha nos bastidores por uma revanche.

 

Mesmo depois de vencer Frankie Edgar em julho e garantir o título interino, Aldo viu o irlandês marcar sua terceira luta fora da divisão e ainda assim manter o posto de campeão. Revoltado, ele declarou sua aposentadoria que, ao que parece, deve chegar ao fim em breve.

UOL ESPORTE

Tags:

Sobe Catracas

JACOB COHEN, oftalmologista e vice-reitor da UFAM

Representando a Universidade, recebeu Prêmio Champalimaud de Visão 2019, prêmio mundial em Oftalmologia, em Portugal

Desce Catracas

TARCÍSIO ROSA, presidente da Eletrobras Amazonas

Funcionários da empresa estão retaliando moradores de Manacapuru e Iranduba que procuraram direitos após apagão, denunciou deputado Sidney Leite