Segunda, 01 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 21/09/2016

Presidente da Funai é exonerado após polêmica sobre infanticídio indígena na Paralimpíada

Presidente da Funai é exonerado após polêmica sobre infanticídio indígena na Paralimpíada Artur estava no comando do órgão desde a saída de João Pedro Gonçalves. Foto: Nael Reis/Governo do Maranhão

O antropólogo Artur Nobre Mendes não é mais o presidente interino da Fundação Nacional do Índio (Funai). O Ministério da Justiça trocou o comando do órgão indigenista com a publicação da exoneração de Mendes no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (20). A mudança ocorre menos de uma semana após a publicação de uma nota da Funai lamentando declarações da organização dos Jogos Paralímpicos Rio 2016, por uma menção a costumes indígenas feita durante o revezamento da tocha paralímpica. Em seu lugar, assume o assessor especial do Ministério Agostinho do Nascimento Netto.



Na apresentação da indígena Iganani Suruwaha, que tem 13 anos e nasceu com paralisia cerebral, a Rio 2016 disse que a menina e a mãe tiveram que deixar a comunidade onde viviam para "evitar o infanticídio indígena". Na última sexta-feira (16), a fundação criticou o Comitê Organizados dos Jogos em seu site oficial. "A Funai lamenta que a organização dos Jogos Paralímpicos Rio 2016, por meio de comunicado oficial divulgado no site do evento, promova ofensa e desrespeito aos povos indígenas do Brasil, referindo-se ao 'infanticídio ou homicídio, abuso sexual, estupro individual ou coletivo, escravidão, tortura, abandono de vulneráveis e violência doméstica' como 'práticas tradicionais' indígenas", diz a nota.



"A indiazinha nasceu na Amazônia, na tribo Suruwahá, com paralisia cerebral. Sua mãe, Muwaji Suruwahá, precisou fugir da aldeia para evitar o infanticídio indígena. A criança, por não andar, estava condenada à morte por envenenamento em sua própria comunidade", dizia a apresentação de Iganani no site da organização do evento. Após a polêmica, a declaração foi editada.



Segundo a Funai, o posicionamento da Rio 2016 se baseia no Projeto de Lei nº1057/2007, conhecido como Lei Muwaji, aprovado pelo plenário da Câmara em agosto de 2015, que, segundo o órgão indigenista, desconsidera a falta de dados concretos sobre a suposta prática de infanticídio."



Não existem dados coletados com rigor e em número suficiente para afirmar que essa seja uma ação frequente e costumeira por parte de povos indígenas, como se tem alardeado. A alegação dessa suposta prática serve, muitas vezes, como tentativa de criminalização e demonstração de preconceito contra os povos indígenas, e também como justificativa para penalizar servidores públicos que atuam em áreas indígenas", criticou a Funai no texto.

 

 

Da Redação - Portal Amazônia

Tags:

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

DILMA SERRÃO, ex-prefeita de Belterra (PA)

TCU reprovou as contas e condenou ex-prefeita a devolver R$ 100 mil ao MEC, por não comprovar recursos do FNDE, recebidos em 2015