Quarta, 03 de junho de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 21/08/2016

Anderson Souza inicia campanha e diz que vai Reconstruir Rio Preto da Eva

Anderson Souza inicia campanha e diz que vai Reconstruir Rio Preto da Eva Projeto ousado de Anderson Souza, ao lado de Berlamino Lins, é de construir uma nova cidade (fotos OSVALDO FREITAS)

DEAMAZÔNIA RIO PRETO DA EVA, AM - O candidato a prefeito do município de Rio Preto da Eva, professor Anderson Sousa (PROS) realizou na noite deste sábado (20) o primeiro comício, na disputa pela Prefeitura do Município. O evento contou com a participação de milhares de pessoas, que com faixas e cartazes foram prestar apoio ao projeto político de Souza. Na proposta de Anderson, que tem como principal bandeira reconstruir Rio Preto da Eva, está o projeto de transformar a cidade na capital dos balneários. o comício foi realizado num clima de festa. 

 

Anderson Souza já foi prefeito da cidade e também presidente da Associação dos Municípios do Amazonas. 20 partidos de Rio Preto se uniram em prol a candidatura do professor. Os deputados federais Silas Câmara (PRB), Pauderney Avelino (DEM) e o prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB) gravaram vídeos de apoio à candidatura de Anderson e se colocaram a disposição dele, neste projeto que é de transformar Rio Preto da Eva numa nova cidade.    

 

Os riopretenses lotaram a Rua do Bagaço, no centro da cidade, onde tradicionalmente Anderson Sousa marca oficialmente o início da campanha nas ruas de Rio Preto da Eva. O evento iniciou às 19h e contou com presença dos 66 candidatos a vereadores da coligação.

 

No palanque, o professor Anderson também recebeu o apoio do deputado estadual Berlamino Lins, líder do PROS na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), e do prefeito de Juruá, Tabira Ferreira (PROS). “Nós queremos um Rio Preto da Eva para estar nas páginas do progresso e do desenvolvimento para o orgulho da família riopretense. Esse é o Rio Preto que Anderson deseja e é por isso que ele coloca o seu nome mais uma vez para voltar a governar esta cidade”, reconheceu Lins. No palanque também estavam presentes a esposa de Anderson, Soraya Souza e a mãe do professor dona Maria.   

 

Município já teve o 2o. melhor IDEB do Amazonas

Anderson falou ainda que entre seus compromissos esta a melhoria na qualidade da Educação e mais investimentos na área, como a construção de mais escolas na zona rural. Também lembrou do trabalho realizado em sua gestão passada, que garantiu uma das melhores colocações para o município no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). “Nós conseguimos sair do índice de 47º pior município na educação do Amazonas para ser o segundo melhor município em 2007. Em 2004, Rio Preto tinha 1.606 alunos. Deixei, em 2008, 6.080 alunos. Hoje nós temos 5.200”, avaliou.

 

Economia

Em seu discurso, o candidato a vice-prefeito, Neto do Baixo Rio, ainda defendeu melhorias na saúde, na infraestrutura, no mercado turístico e na zona rural. “O Rio Preto vai ter as ruas asfaltadas como um dia já teve. O Rio Preto vai ter a sua praia lotada como um dia já teve. O comércio vai faturar como um dia já faturou. A Educação vai funcionar como antes funcionava. Hoje não funciona nada. Não funciona a saúde. Não tem uma dipirona no hospital. Nós vamos fazer o Rio Preto funcionar”, disse.

 

A ousadia no Plano de Governo de Anderson é de transformar Rio Preto na capital dos balneários. A cidade de encantos naturais passaram por uma série de transformações no sistema viários e de infraestrutura, como meio de melhorar a rede hoteleira e serviços turístico. A aposta no turismo para fomentar a economia é um dos planos arrojados que Anderson Souza pretende implementar tão logo seja eleito prefeito da cidade.  

DEAMAZONIA.COM.BR  | (fotos OSVALDO FREITAS)

Tags:

Sobe Catracas

RODRIGO FERNANDES, escritor paraense

Natural de Santarém, venceu concurso da Academia Paraense de Letras e Artes e obra dele ficou em 1º lugar na categoria 'Melhor Livro'

Desce Catracas

ANTÔNIO PEIXOTO, prefeito de Itacoatiara

Deputado denunciou na Aleam que médicos, que atuam na pandemia, estão há três meses sem receber salários