DeAmazônia

MENU
Atualizado em 01/07/2016

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO #Regime fiscal perigoso

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO #Regime fiscal perigoso

O site sindipublicos.com.br alerta que “no lugar de cortar os gastos supérfluos do alto escalão dos poderes judiciário, legislativo e executivo, como auxílios moradias e alimentação, o governo Temer preferiu propor a PEC 241-2016 que limita os valores a serem investidos nos serviços públicos, afetando diretamente a população brasileira”.

 

O líder do governo na Câmara dos Deputados protocolou no dia 15 de junho a citada proposta de emenda à Constituição que limita os gastos públicos para as despesas primárias nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, limitando à variação da inflação oficial do ano anterior. Se aprovada, a PEC garantiria que o governo federal cessasse a realização de novos concursos públicos, bem como de reajuste do funcionalismo público, alteração de estrutura de carreira ou criação de cargos que impliquem aumento de despesa.

 

Vale ressaltar que o projeto tem brechas que prejudica todas as áreas, com cortes indiretos inclusive na saúde e educação, que já vem sofrendo com o descaso dos governantes. Os investimentos, que atualmente já são escassos, seriam totalmente limitados ao percentual da inflação, que é abaixo das necessidades. Vejamos como exemplo, o caso específico da saúde:

 

A PEC prevê a limitação do crescimento dos gastos na gestão Federal, com perdas consideráveis de recursos destinados às áreas sociais, especialmente aos gastos com ações e serviços públicos em saúde - ASPS, produzindo efeitos desastrosos nas esferas de gestão municipal e estadual da saúde.

 

Se aprovada, a partir de 2017 haverá uma limitação anual das despesas da União em valores reais, ou seja, apenas poderá ser gasto o valor do ano anterior corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA. Em resumo, a despesa da União no ano de 2026 será a mesma, em termos reais, da executada (paga) em 2016.

 

Congelar por 20 anos recursos destinados ao SUS, que ano a ano cresce segundo as necessidades da população, é ignorar a regra constitucional que estabelece o direito à saúde, garantido mediante políticas econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos, e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

 

As medidas propostas, uma vez implementadas, com retração de recursos financeiros na ordem de R$ 12 bilhões nos próximos dois anos, irá agravar ainda mais a asfixia financeira que o SUS atravessa, uma vez que o aumento do desinvestimento, do desemprego e da própria queda da renda, força ainda mais as pessoas a buscarem o SUS. A defesa de uma gestão eficiente requer o permanente combate a todas as formas de desperdício com o melhor uso dos recursos públicos. Contenção de gastos na saúde fatalmente reduz ou interrompe serviços, significando sempre potencial aumento do risco de doenças e de agravos com reflexos desastrosos sobre a saúde das pessoas.

 

Apesar da medida proposta se aplicar apenas ao poder público no âmbito federal, a aprovação poderia provocar o efeito cascata de governadores criarem legislação semelhante, prejudicando o acesso da sociedade aos serviços públicos, favorecendo a concessão e terceirização dos serviços.

 

A intenção do governo é que a proposta seja aprovada no Congresso o mais rápido possível para que o novo cálculo já seja aplicado em 2017. Aí reside um perigo, visto que historicamente muitas coisas já foram aprovadas sem a devida discussão com a sociedade, na calada da noite, principalmente quando se tem maioria no parlamento.

*Auditor fiscal da Sefaz e educador. E-mail: [email protected]

Tags:

Sobe Catracas

CAROLINE BRAZ, secretária de Direitos Humanos do AM

Pela primeira vez, Amazonas aderiu a campanha nacional "Não é Não", contra o assédio, com ações por todo o estado no Carnaval 2020

Desce Catracas

VILSON GONÇALVES, prefeito de Aveiro (PA)

Virou alvo da Justiça em processo criminal acusado de recolher ICMS de mercadoria para exportação sem comprovar para Sefa saída do produto