DeAmazônia

MENU
Atualizado em 13/11/2019

Força-Tarefa propõe acordo à Amazonas Energia sobre indenização por apagão no interior

Defesa do consumidor ingressou com ação cobrando R$ 58,7 milhões da concessionária por dano moral pelo apagão que afetou Iranduba e Manacapuru

Força-Tarefa propõe acordo à Amazonas Energia sobre indenização por apagão no interior Força-Tarefa propõe acordo à Amazonas Energia para indenização de prejudicados por apagão no interior (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - A Força-Tarefa de Defesa do Consumidor propôs à concessionária Amazonas Energia firmar um acordo extrajudicial para a indenização dos consumidores prejudicados pelo apagão elétrico do último mês de julho em Iranduba e Manacapuru. A proposta foi formalizada pelo defensor público Thiago Rosas nesta quarta-feira (13), na Assembleia Legislativa (ALE-AM), durante Cessão de Tempo feita para a empresa prestar esclarecimentos sobre os apagões no Estado.
 
 
 
Em setembro, a Força-Tarefa ingressou com um pedido de indenização por danos morais coletivos contra a concessionária Amazonas Energia. Na ação, o grupo formado pela Defensoria Pública do Estado (DPE-AM), Ministério Público Estadual (MPE-AM) e Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa (CDC/ALE-AM) pede que a concessionária seja condenada a pagar R$ 58,7 milhões.
 
 
 
Conforme o pedido da Força-Tarefa, 70% da multa (R$ 41,1 milhões) seriam destinados pela própria Amazonas Energia para a realização de melhorias e investimentos no sistema de distribuição e fornecimento de energia elétrica aos municípios afetados pelo apagão. O valor restante (R$ 17,6 milhões) deve ser revertido para o Fundo Estadual de Defesa do Consumidor, conforme previsão do Artigo 13 da Lei 7.347/1985.
 
 
 
A Defensoria também realizou mutirões em Iranduba e Manacapuru para que os cidadãos ingressassem com ações individuais por causa dos transtornos provocados pelo apagão. Segundo o defensor público Thiago Rosas, responsável pela Defensoria Especializada em Interesses Coletivos, a partir do acordo extrajudicial o conflito entre a concessionária e os consumidores pode ser resolvido mais rapidamente do que com a tramitação da ação no Judiciário.
 
 
“A ação vai ser processada no tempo da Justiça, mas uma das missões da Defensoria é a conciliação. O acordo extrajudicial seria homologado pela Justiça, mas definido diretamente entre as partes com a mediação da Defensoria. Os acordos poderiam ser feitos tanto para a ação coletiva de R$ 58,7 milhões como para as ações individuais”, explica o defensor público.
 
 
 
“A indenização tem um caráter ressarcitório e outro pedagógico, educativo. No caso da ação coletiva, em princípio, pode parecer um valor elevado, uma cifra que objetive atingir a empresa. Mas, não. Ela objetiva a melhoria do serviço prestado ao povo. Nós queremos Justiça e isso implica serviço de qualidade”, destaca o defensor público.
 
 
Cessão de Tempo
Durante a cessão de tempo, o diretor-presidente da Amazonas Energia, Tarcísio Rosa, foi sabatinado pelos deputados estaduais a respeito dos problemas no fornecimento de energia elétrica no Estado. Ao longo da fala, Tarcísio mencionou o pedido de indenização proposto pela Força-Tarefa e, em seguida, recebeu a proposta feita pelo defensor público Thiago Rosas.

Sobe Catracas

ESTEVAM THEOPHILO, general do Exército

Tomou posse como novo comandante Militar da Amazônia (CMA), cargo estratégico na região com a maior faixa de fronteira do Brasil

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

MPPA abriu investigação para apurar suposta fraude em licitação para compra de equipamentos para academia ao ar livre na cidade