Segunda, 10 de agosto de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 10/11/2019

"Vossa excelência é o rei dos animais", diz Jô, em carta a Bolsonaro

No texto, o escritor pergunta até quando Jair Bolsonaro abusará da paciência dos brasileiros

Jô Soares (Foto: DIVULGAÇÃO/CAROL CAMINHA/GSHOW)

DEAMAZÔNIA SÃO PAULO- O escritor e humorista Jô Soares publicou, em sua coluna da Folha de São Paulo, neste domingo (10/11), uma carta endereçada ao presidente Jair Bolsonaro, perguntando ao presidente até quando ele abusará da paciência dos brasileiros e o chamando de “rei dos animais”.

 

No texto intitulado “Carta ao nosso caríssimo presidente” Jô, usou e abusou da ironia e citou, como assunto principal, o vídeo das hienas e do leão publicado e apagado, em seguida, por Bolsonaro. (Leia a carta na íntegra aqui)

 

Soares iniciou a carta com uma frase em latim “Tres cher président: Quo usque tandem abutare patientia nostra?”, que traduzida par ao português significa, “Querido senhor presidente: Quão longe você vai abusar da nossa paciência?”

 

Jô Soares chegou a chamar a casa de Bolsonaro de “vacalhouto de papalvos”, que quer dizer esconderijo/abrigo de tolo/pateta, ao relembrar o fato de um dos acusados de matar Marielle, morar no condomínio do presidente.

 

“A calúnia não para! Agora querem lhe responsabilizar pelo faoto de sua ilibada residência localizar-se na mesma região onde, por uma coincidência estúpida, habitava também um certo Ronnie, de alva notoriedade (mas em outro lar doce lar, é claro!) Sem nenhuma ligação, um vacalhouto de papalvos!”, ironizou o escritor.

 

Ao final do texto, Jô cita o vídeo do leão, e diz pensou, a princípio que Bolsonaro estaria mais para “Mogli, o menino lobo”, mas depois, enfim encontrou a definição perfeita para o presidente. “Vossa excelência é o leão. Vossa excelência é o rei dos animais”.

Sobe Catracas

MARCIA PERALES, presidente da FAPEAM

600 projetos de pesquisa e inovação de professores de Manaus e interior do Estado foram aprovados, com aumento de 22% relacionados a 2019

Desce Catracas

JOSUÉ NETO, presidente da ALE/AM

Após repercussão negativa de boicote ao governo, teve que recuar, pedir trégua e destravar pautas