DeAmazônia

MENU
Atualizado em 05/11/2019

PF intima senador Jader Barbalho a depor no caso da delação da JBS

Governador do Pará, Helder Barbalho, também é investigado no mesmo inquérito da Lava Jato

PF intima senador Jader Barbalho a depor no caso da delação da JBS Jader Barbalho (Foto: Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

DEAMAZÔNIA SANTARÉM, PA - O senador Jader Barbalho (MDB/PA) foi intimado pela Polícia Federal na manhã desta terça-feira (05/11) , a depor no caso da delação de Executivos da J&F, controlado pela JBS, no âmbito da Operação Lava jato. A informação é do Jornal Estadão. Jader é pai do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB/PA).

 

Além de Jader também foram intimados os senadores do MDB, ex-presidente do Senado, Renan Calheiros (Alagoas), Eduardo Braga (Amazonas), o ex senador e atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Vital do Rêgo.

 

Os mandados foram expedidos pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator da Lava Jato, na Corte.  O EstadãoO Globo, a Folha de São Paulo e a Revista Veja informam que o ministro expediu uma série de mandados de busca e apreensão, além de medidas de sequestro de bens. Os senadores intimados negam que tenha ocorrido buscasm em suas residências ou outros endereços deles.

 

Segundo o Estadão, a ‘ação é um desdobramento do inquérito 4707, que apura supostas doações de R$ 40 milhões feitas pelo grupo Grupo J&F a senadores do MDB para as eleições de 2014”. A apuração diz respeito ao apoio do MDB ao PT, na eleição de 2014.

 

O Executivo Ricardo Saud citou supostos pagamentos de propina para Braga e Renan, Vital, e ainda  o ex-senador Eunício Oliveira (Ceará), ex-senador Valdir Raupp (Rondônia).

 

O governador do Pará, Hélder Barbalho também é investigado no âmbito do inquérito 4707, da Lava Jato.

Sobe Catracas

NATHÁLIA FARIA, karateca amazonense

Do topo do ranking nacional de karatê, atleta chega à seleção brasileira da categoria de base pela terceira vez

Desce Catracas

ADONEI AGUIAR, prefeito de Curinópolis (PA)

Afastado do cargo por acusação de integrar esquema criminoso, STF negou pedido dele para retornar ao cargo