Sábado, 06 de junho de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 01/11/2019

eSocial passa a substituir livro de registro de empregados

Parte das empresas terá até um ano para se adaptar a processo

eSocial passa a substituir livro de registro de empregados Os dados de registro devem ser informados ao eSocial até a véspera do dia de início da prestação de serviços pelo trabalhador. (Foto: Divulgação)

Por Wellton Máximo - Repórter da Agência Brasil

 

Os empregadores que aderiram ao eSocial, sistema eletrônico de registro de dados, usarão a ferramenta para substituir o livro de registro de empregados. A mudança consta de portaria publicada ontem (31), no Diário Oficial da União.

 

O livro de registro contém os dados profissionais do trabalhador – como data de admissão, função, cargo – e eventos como férias, afastamentos, licenças médicas e acidentes de trabalho. Os empregadores que optarem registro eletrônico de empregados poderão começar a inserir os dados no eSocial imediatamente. Quem não optar pelo registro eletrônico continuará a fazer o registro em meio físico, mas terão um ano para adequarem os livros e fichas ao eSocial.

 

Os dados de registro devem ser informados ao eSocial até a véspera do dia de início da prestação de serviços pelo trabalhador. Dessa forma, o empregado que começar a trabalhar no dia 5 deverá ser registrado no sistema até o dia 4.

 

Nos últimos meses, o governo tem ampliado o uso do eSocial para o registro de informações e obrigações trabalhistas. Há duas semanas, uma portaria determinou que as contratações e demissões passem a ser inseridas no eSocial a partir de janeiro. Gradualmente, esses dados deixarão de ser preenchidos no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

 

Edição: Fernando Fraga

Sobe Catracas

RODRIGO SEIXAS, produtor musical

Produtor amazonense assinou com gravadora europeia, do artista Lexlay, que em breve será lançada no 'Compilation Barcelona 2020'

Desce Catracas

CHICO 'DOIDO', prefeito de Iranduba (AM)

Justiça ordenou que ele reforme toda rede de iluminação de Iranduba, pois grande parte da cidade está no escuro, mesmo com moradores pagando taxa