DeAmazônia

MENU
Atualizado em 27/10/2019

Em relatório final, Sínodo da Amazônia defende ordenação de homens casados na região

Diaconato de mulheres ficou de fora do documento final; texto, dividido em 120 pontos, será avaliado pelo Papa

Em relatório final, Sínodo da Amazônia defende ordenação de homens casados na região Neste sábado, 26 de outubro, foi apresentada a versão final do documento do Sínodo Da Amazônia (Foto: Reprodução/Templo de Maria)

DEAMAZÔNIA VATICANO - Em ato considerado histórico para a Igreja Católica, os 185 bispos reunidos no Sínodo para a Amazônia aprovaram relatório em que defendem a ordenação de homens casados, em casos específicos, para suprir a falta de padres na região amazônica. A decisão aconteceu após três semanas de discussão. O relatório final será avaliado pelo Papa Francisco. A informação é do site O Globo.

 

No entanto, a esperada criação de um diaconato para mulheres ficou de fora do relatório final. O encontro da Igreja ocorre desde o dia 6 de outubro e encerra com uma celebração extraordinária presidida por Papa neste domingo (27/10) na Basílica de São Pedro, no Vaticano.

 

Durante as três semanas do Sínodo, a falta de padres ficou evidente, e gerou uma grande preocupação da maioria dos bispos da Amazônia. A proposta de ordenar homens casados de boa reputação, os chamados “viri probati”, ganhou força ao longo dos dias. Mesmo sendo um dos parágrafos que receberam menos votos de aprovação (128 a favor e 41 conta), o número 111 do texto acabou passando. Eram precisos 120 votos.

 

CONFIRA O RESUMO DO DOCUMENTO DO SÍNODO DA AMAZÔNIA CLICANDO AQUI.

 

O texto final, dividido em 120 pontos, ataca o desenvolvimento econômico predatório, classificado como “pecado ecológico”, e reconhece a dificuldade de celebrar a eucaristia nas comunidades nativas, por falta de sacerdotes.

 

Segundo o texto a ideia é “estabelecer critérios e disposições (...) de ordenar sacerdotes os homens idôneos e reconhecidos pela comunidade, que (...) recebam uma formação adequada (...) mediante a celebração dos Sacramentos nas zonas mais remotas da região amazônica, podendo ter uma família legitimamente constituída e estável”.

 

No documento final, destaca-se mais precisamente a proposta de elevar os diáconos permanentes ao nível de padres. Os denominados são homens que possuem uma ordenação apenas em primeiro grau e têm como função realizar serviços nas comunidades. Os diáconos podem presidir celebrações, mas não missas e não possuem autorização para ouvir confissão e nem realizar a unção dos enfermos.

 

MULHERES NA IGREJA

Em 2016, a pedido de um grupo de religiosas, Francisco criou uma comissão no Vaticano para estudar o diaconato de mulheres. A ideia era compreender como isso funcionava no passado, pois mesmo que usassem o nome “diaconisas”, nem sempre eram o equivalente aos diáconos homens.

 

Essa comissão terminou seu trabalho em dezembro de 2018 sem chegar a um consenso sobre o que foi o diaconato feminino no passado.

 

Durante o Sínodo, os bispos da Amazônia pediram que esse debate fosse retomado e desejam fazer parte dele, mas ainda não foi incluso no texto final. Em apontamento, o documento concluiu que “se reconheceu o papel fundamental das mulheres religiosas e leigas na Igreja”. “Gostaríamos de compartilhar nossas experiências e reflexões com a Comissão e esperamos os seus resultados”, diz o texto.

 

Em resumo, no discurso de encerramento do Sínodo, Francisco prometeu reabrir a comissão sobre as mulheres diaconisas.

 

CONFIRA AS DECISÕES MAIS IMPORTANTES DO DOCUMENTO DO SÍNODO DA AMAZÔNIA:
  • O conceito de “pecado ecológico” como uma “ação ou omissão contra Deus, contra o próximo, a comunidade e o ambiente” e o chamado à conversão e o cuidado da “casa comum”, isto é, o planeta Terra.
  • Promover uma “ecologia integral como único caminho possível”. A ideia é não separar as questões ecológicas dos problemas sociais.
  • Proposta de criação de um observatório da Igreja para denunciar problemas ambientais e sociais, promovendo a “defesa da vida” e “defendendo os direitos dos mais vulneráveis”.
  • Pedido de maior mobilização da comunidade internacional para destinar recursos econômicos para a proteção da floresta e para a promoção de “um modelo de desenvolvimento justo e solidário” na Amazônia.
  • Proposta de ordenação de homens casados nas zonas remotas da Amazônia para suprir a falta de padres.
  • Reconhecimento do “papel fundamental das mulheres” nas comunidades da Amazônia. Um pedido para que líderes da região possam participar da discussão sobre a implantação do diaconato feminino.

 

Sobe Catracas

LUIZ PACHECO, presidente da Escola de Samba Aparecida

Escola de Samba Mocidade Independente de Aparecida foi campeã do Carnaval de Manaus 2020

Desce Catracas

JOSÉ LUIZ FELÍCIO FILHO, presidente da MAP/Passaredo

Map Passaredo Linhas Aéreas deixou o trecho Parintins-Manaus-Parintins sem voos durante os três dias do Carnaval