DeAmazônia

MENU
Atualizado em 21/10/2019

Juiz suspende concurso público da Prefeitura de Humaitá

Decisão do juiz Bruno Orsi atende Ação Popular que questionou a capacidade técnica da empresa contratada pela prefeitura Municipal para organizar o certame

Juiz suspende concurso público da Prefeitura de Humaitá Vista da cidade de Humaitá e do Rio Madeira ao fundo (Foto: divulgação/internet)

DEAMAZÔNIA HUMAITÁ, AM - O juiz de Direito Bruno Rafael Orsi, titular do Juizado Especial da Comarca de Humaitá (a 696 quilômetros de Manaus), em plantão, concedeu medida liminar suspendendo a realização do concurso público da Prefeitura Municipal.

 

A decisão atende a uma Ação Popular (n.º 000306288.2019.8.04.4401) cujos autores questionaram judicialmente a capacidade técnica da empresa contratada pela Administração Pública para a organização do certame.

 

Quanto ao questionamento sobre a capacidade técnica da empresa exigível para a organização do certame, a Ação Popular, conforme os autos, indica que os membros que compõem a equipe técnica da empresa não são dotados de capacidade técnica e científica adequadas para a fiscalização das provas; para a revisão de questões e para a análise de recursos (contra questões das mais variadas áreas).

 

Ao analisar o pedido de liminar, o juiz Bruno Rafael identificou que para a concessão da liminar a Ação Popular respondeu aos requisitos previstos nos art. 300 do Código de Processo Civil, quais sejam o da plausibilidade do direito (fumus boni juris) e do risco ao resultado útil do processo (perigo da demora) c/c parágrafo 4 da Lei 4.717/65.

 

Ao conceder a liminar, o juiz suspendeu o concurso e a realização das provas e proibiu qualquer pagamento à empresa contratada para a organização do certame.

 

Sobe Catracas

GISELE GÓES, estudante da rede pública do Pará

Aluna de escola municipal de Igarapé-Açu, foi a maior pontuadora do Concurso Nacional de Redação da Defensoria Pública da União

Desce Catracas

ANDERSON SOUSA, prefeito de Rio Preto da Eva

MP/AM abriu inquérito para investigar suposta fraude de R$ 2 milhões em descontos nos salários dos servidores e não repassados a previdência municipal