DeAmazônia

MENU
Atualizado em 18/10/2019

Sefaz-AM calcula arrecadação de R$ 24 milhões por ano com operação de gás

Obras já foram iniciadas no Campo do Azulão

Sefaz-AM calcula arrecadação de R$ 24 milhões por ano com operação de gás Auditor tributário da Sefaz-AM, Rodrigo Castro (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Com o início das obras do Campo de Azulão, o Amazonas dá um passo importante para interiorizar o desenvolvimento e diversificar a matriz econômica do Estado, que receberá investimento em torno de 1 R$ bilhão e terá cerca de 1 mil empregos gerados nos dois anos previstos para a execução das obras em Silves e Itapiranga.

 

Mas estes não são os únicos benefícios da construção do campo de extração de gás natural. Além dos royalties para os dois municípios, a operação também deve render uma arrecadação tributária de ICMS de cerca de R$ 2 milhões/mês para os cofres públicos do tesouro estadual, ou cerca de R$ 24 milhões por ano.

 

É o que explica o auditor tributário da Secretaria de Fazenda do Amazonas (Sefaz-AM), Rodrigo Castro, que abordou a base legal da tributação de gás na Bacia do Amazonas em evento organizado pelo Conselho Regional de Contabilidade (CRC-AM), nesta quarta-feira (16/10), na Faculdade Metropolitana de Manaus (Fametro).

 

De acordo com Rodrigo, o Decreto 40.709/2019, ao regulamentar a extração de gás natural da Bacia Sedimentar do Amazonas, promoveu segurança jurídica para a operação e assegurou a arrecadação tributária do Estado pois, sem ele, a empresa dona da concessão acumularia uma “bolha de créditos de ICMS” e geraria enorme passivo ao Estado.

 

O decreto retirou o modelo de Substituição Tributária da operação, o que chegou a ser confundido por veículos da mídia local como uma espécie de isenção fiscal, quando, pelo contrário, garante a arrecadação tributária do estado na operação. Arrecadação que não existiria, caso não houvesse o decreto.

 

“Quando um estabelecimento industrial adquire um produto já gravado pela substituição tributária, ele tem direito a crédito. Como a indústria que vai produzir o gás natural liquefeito (GNL) está remetendo a carga para Boa Vista (RR), que é uma Área de Livre Comércio, o contribuinte (Eneva) não teria como transformar em recursos financeiros o seu crédito de ICMS”, explica.

 

“O estado só retirou a substituição tributária porque o contribuinte não teria como aproveitar esse crédito, o que geraria um passivo no futuro (para o Estado). Não se trata de dar benefício, mas de retirar a aplicação da substituição tributária em uma operação que só ensejaria saldo credor para o contribuinte”, salienta.

@pw_instagram

Sobe Catracas

HELOÍSA DE MOURA, aluna da rede municipal de Manaus

Representando o AM, Poema dela foi classificado para final da Olimpíada Brasileira de Língua Portuguesa 

Desce Catracas

HENRIQUE FALABELLA, prefeito de Urucará (AM)

Famílias denunciam mortes de bebês por falta de médicos no Hospital Municipal e cobram providências do prefeito