DeAmazônia

MENU
Atualizado em 19/09/2019

Estados da Amazônia vão receber R$ 430 milhões para combate às queimadas

Decisão é do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (19); dinheiro deve ser empenhado em 2020

Estados da Amazônia vão receber R$ 430 milhões para combate às queimadas Imagem aérea de queimadas na cidade de Altamira, no Pará (Foto: Victor Moriyama / Greenpeace)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - A partir de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), os nove estados da Amazônia irão receber R$ 430 milhões para aplicação de projetos de combate ao desmatamento e às queimadas na floresta. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (19/9), pelo deputado Serafim Corrêa (PSB), que alertou o governo do Estado para a elaboração de projetos nesse sentido. (Confira a decisão judicial)

 

“Somos nove estados. Se dividirmos a grosso modo, R$ 430 milhões por nove,  fica algo em torno de R$ 47,7 milhões, se for dividido por igual. Esse valor é um valor significativo.  Sugiro ao governo do Estado, à secretaria do Meio Ambiente e ao Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), que se antecipem, vejam os projetos que dispõe e que possam, desde já, trabalhar junto ao governo federal para estar habilitado a receber esses recursos, no momento próprio em que eles forem disponibilizados”, sugeriu o deputado.

 

O parlamentar acredita que o dinheiro seja empenhado apenas em 2020. 

 

“Como estamos caminhando para o final do ano, e o dinheiro está em caixa, é provável que esse dinheiro seja emprenhado ainda este ano e talvez paguem somente ano que vem. Se não tiver projetos elaborados para combater o desmatamento e queimadas – no Sul do Estado, principalmente na região de Boca do Acre, Lábrea, Novo Aripuanã , Apuí, Santo Antônio do Matupi – que faça agora, porque o dinheiro já estará disponível”, alertou Serafim.

 

A decisão

Serafim Corrêa explicou que o STF não permitiu que R$ 2,5 bilhões – que seriam destinados a um fundo de combate a corrupção, em Curitiba, a pedido do ministro Sérgio Moro e ao procurador Deltan Dallagnol com a justificativa que Curitiba é uma República – tivesse esse fim.

 

 O ministro do STF, Alexandre de Moraes, decidiu na quarta-feira, 18, que  Curitiba não é República e que pertence à República Federativa do Brasil. O ministro distribuiu os R$ 2,5 bilhões para entre Educação Infantil, Meio Ambiente e bolsas do CNPQ  (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), disponibilizando deste total, R$ 430 milhões para os nove estados da Amazônia.

 

“Louvo que o STF tenha sido guardião da Constituição não permitindo a criação de uma República, dentro da República, e que o MPF (Ministério Público Federal) tome as providências que tomaria com um pobre mortal, tanto com o ministro Moro, quando o procurador Dellagnol, porque se isso não for improbidade, eu tenho que rasgar o meu diploma de direito”, concluiu.

Sobe Catracas

SÔNIA MOTA, policial militar da reserva do AM

Corredora de rua de Manaus, organizou 'Campanha Atleta Doador', de doação de sangue, em Belém (PA), como promessa a N.S de Nazaré, no Círio 2019 

Desce Catracas

RAIMUNDO CASTRO, ex-presidente da Câmara de Belém

TCM/PA reprovou as contas do ex-presidente, por descontos previdenciários dos servidores não repassados ao INSS e ele foi multado em R$ 523 mil