Segunda, 10 de agosto de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 17/09/2019

Governo reduz tarifa de importação de equipamentos médicos

Medida foi destacada pelo presidente Jair Bolsonaro no Twitter

Governo reduz tarifa de importação de equipamentos médicos Marcello Casal Jr./Agência Brasi

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil

 

O Ministério da Economia zerou o imposto de importação para centenas de produtos, entre eles, equipamentos médicos, de informática e para a indústria. A informação foi destacada pelo presidente Jair Bolsonaro em publicação na sua conta pessoal no Twitter.

 

“Após zerar impostos de medicamentos que combatem AIDS e câncer, o Governo Bolsonaro, via @MinEconomia, faz o mesmo com centenas de produtos, entre eles, com equipamentos e produção médicos, exames, cirurgias oftalmológicas, informática e outros”, escreveu.

 

A Portaria Nº 2.024, de 12 de setembro de 2019, da Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia foi publicada nesta segunda-feira (16) no Diário Oficial da União e entra em vigor dois dias úteis a partir da data de publicação.

 

Também pelo Twitter, o Ministério da Economia informou que já foram zerados impostos de importação de 1.189 produtos. “Estamos trabalhando para baratear o custo de investimentos e facilitar o acesso dos brasileiros a bens que não são produzidos aqui. Já zeramos o imposto de importação de 1.189 produtos. Agora, damos mais um passo para incentivar o investimento e a modernização das nossas fábricas”, diz a publicação.

 

No início do mês de agosto, o governo também reduziu as tarifas de importação de 17 produtos como medicamentos para tratamento de câncer e HIV/Aids com o objetivo de reduzir o custo de produção das empresas instaladas no Brasil e o preço dos produtos para os consumidores.

 

Sobe Catracas

MARCIA PERALES, presidente da FAPEAM

600 projetos de pesquisa e inovação de professores de Manaus e interior do Estado foram aprovados, com aumento de 22% relacionados a 2019

Desce Catracas

JOSUÉ NETO, presidente da ALE/AM

Após repercussão negativa de boicote ao governo, teve que recuar, pedir trégua e destravar pautas