DeAmazônia

MENU
Atualizado em 16/09/2019

Força-Tarefa pede indenização de R$ 58,7 milhões contra Amazonas Energia por apagão

Iranduba e Manacapuru ficaram sem energia elétrica por aproximadamente 288 horas entre os dias 19 e 30 de julho de 2019

Força-Tarefa pede indenização de R$ 58,7 milhões contra Amazonas Energia por apagão Valor leva em consideração duração do apagão e quantidade de pessoas prejudicadas. DPE/AM também está ingressando com pedidos individuais de indenização. (Foto: Divulgação)

 

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - A Força-Tarefa do Consumidor ajuizou, nesta segunda-feira (16/09), o pedido de indenização por danos morais coletivos contra a concessionária Amazonas Energia por causa do apagão elétrico que atingiu os municipios de Iranduba e Manacapuru na segunda quinzena de julho. Na ação, o grupo formado pela Defensoria Pública do Estado (DPE-AM), Ministério Público Estadual (MPE-AM) e Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Amazonas (CDC/ALE-AM) pede que a concessionária seja condenada a pagar R$ 58,7 milhões.

 

Conforme o pedido da Força-Tarefa, 70% da multa (R$ 41,1 milhões) seriam destinados pela própria Amazonas Energia para a realização de melhorias e investimentos no sistema de distribuição e fornecimento de energia elétrica aos municípios afetados pelo apagão. O valor restante (R$ 17,6 milhões) deve ser revertido para o Fundo Estadual de Defesa do Consumidor, conforme previsão do Artigo 13 da Lei 7.347/1985.


O objetivo da divisão de valores, segundo o defensor público Thiago Rosas, é buscar não só a compensação pelos danos morais coletivos causados, mas também a melhoria do serviço prestado aos consumidores afetados pelo blecaute.


“Esses 70% devem ser revertidos em obras, a fim de que não ocorra mais o que aconteceu no último apagão. O investimento precisa ser comprovado pela empresa, sendo o cumprimento da obrigação de pagar condicionado ao envio de relatórios trimestrais sobre os gastos realizados”, explica Thiago Rosas, que é titular da Defensoria Pública Especializada de Interesses Coletivos.

 

Para a definição do valor da indenização, a Força-Tarefa considerou a duração do apagão e a quantidade de pessoas afetadas. Iranduba e Manacapuru ficaram sem energia elétrica por cerca de 288 horas entre os dias 19 e 30 de julho deste ano, prejudicando aproximadamente 200 mil habitantes da Região Metropolitana de Manaus.

 

A Força-Tarefa argumenta no processo que a Amazonas Energia não informou a população sobre os meios de ressarcimento dos danos, como solicita a Resolução 414 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Durante audiência pública promovida pela Força-Tarefa em Iranduba durante o período do apagão, por exemplo, a empresa não atendeu a uma recomendação para que montasse estandes no local oferecendo instruções aos consumidores.

 

Outro ponto destacado na ação é o Artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor. Segundo a legislação, o fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços.

 

Defensoria também move ações individuais

Além do pedido de indenização por danos morais coletivos, a Defensoria Pública do Estado também está ingressando com ações individuais de indenização por causa dos transtornos provocados pelo apagão.

 

Na última semana, a DPE-AM realizou dois mutirões em Iranduba e Manacapuru para atender cidadãos que desejam ingressar com ações individuais de indenização. Ao longo dos dois serviços, 601 pessoas procuraram a Defensoria. Os valores cobrados são analisados caso a caso, mas o pedido mínimo em cada processo é de R$ 10 mil.

 

“Para defender os direitos da população, a Defensoria tem a estratégia de atuar em duas frentes. Ao lado dos demais órgãos na Força-Tarefa, protocolamos a ação de Danos Coletivos. Já com as ações individuais, buscamos o ressarcimento dos danos morais e materiais sofridos por cada pessoa prejudicada. Vamos continuar com o ajuizamento, de acordo com a demanda da população que nos procura”, ressalta o defensor Thiago Rosas.

 

Os moradores de Iranduba e Manacapuru que desejam ingressar com ações individuais de indenização podem procurar o Grupo de Trabalho do Interior (GTI) da Defensoria, localizado na rua Maceió, 307, Nossa Senhora das Graças, zona centro-sul de Manaus, segunda e quarta-feira, a partir das 7h.

 

Sobe Catracas

ESTEVAM THEOPHILO, general do Exército

Tomou posse como novo comandante Militar da Amazônia (CMA), cargo estratégico na região com a maior faixa de fronteira do Brasil

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

MPPA abriu investigação para apurar suposta fraude em licitação para compra de equipamentos para academia ao ar livre na cidade