Sábado, 23 de janeiro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 15/09/2019

Com ‘pocket show’, Márcia Novo e Manoel Cordeiro debatem sobre ritmos amazônicos

Painel 'Ritmos Amazônicos na Contemporaneidade' é direcionado a músicos, produtores e artistas e acontece neste domingo (15)

Com ‘pocket show’, Márcia Novo e Manoel Cordeiro debatem sobre ritmos amazônicos Cantora Márcia Novo. Foto: reprodução

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - A cantora Marcia Novo e o produtor musical Manoel Cordeiro promovem, gratuitamente, neste domingo, 15/9, o painel “Ritmos Amazônicos na Contemporaneidade”, direcionado a músicos, produtores e artistas. A iniciativa é contrapartida ao projeto “Ep/Videoclipe Eletroboi”, contemplado no Edital de Conexões Culturais 2018, da Prefeitura de Manaus.

 

 

Na ocasião, os artistas falarão sobre suas experiências e perspectivas sobre o novo momento da música na Amazônia. Ao final, acontecerá um pocket show com algumas das novas produções que estarão por vir com o novo trabalho do Eletroboi.

 

“O projeto Eletroboi iniciou uma experimentação musical no ‘Se questa’ e então entendemos que poderíamos trazer uma sonoridade nova para o boi-bumbá. A partir disso, começamos a escrevê-lo, misturando a percussão orgânica do boi com beats eletrônicos. A ideia desse projeto é revisitar grandes sucessos da década de 90 e fazer novas produções com músicas atuais minhas compostas. Será um EP de quatro faixas”, explicou Marcia.

 

O encontro, com vagas limitadas, ocorrerá no estúdio Sonora, na rua José Álvares Maciel, no bairro Dom Pedro, e acontece das 17h às 20h. Serão oferecidas 40 vagas no total e para participar, é necessário realizar inscrição por meio do instagram: @marcianovocantora.

Sobe Catracas

MÁRIO DE MELLO, presidente do TCE/AM

Endureceu o tom contra governo do AM e Prefeitura de Manaus, com ameaça de pedidos de exonerações dos secretários da SES/AM e SEMSA, por falta de transparência na vacinação da covid-19

Desce Catracas

ELIAS EMANUEL, ex vereador de Manaus

Ele e mais três ex-vereadores, nomeados para cargos de diteroria na Manauscult, tiveram exonerações confirmadas após pressão da classe artística