DeAmazônia

MENU
Atualizado em 13/09/2019

Çairé 2019: 'Alter do Chão, berço da vida' e 'Resistência Borari' são temas do Cor de Rosa e Tucuxi

Com 10 títulos cada um, botos se enfrentam no sábado, 21 de setembro, para garantir o desempate

Çairé 2019: 'Alter do Chão, berço da vida' e 'Resistência Borari' são temas do Cor de Rosa e Tucuxi Boto Cor de Rosa e Boto Tucuxi se enfrentam no Çairé 2019.

DEAMAZÔNIA SANTARÉM, PA - Trazendo o tema 'Fé que emociona, magia que encanta', vai começar mais uma edição da maior manifestação cultural do estado do Pará e uma das mais antigas da região Norte, o Çairé 2019. Tradição no calendário paraense, a festa une o religioso ao profano em cinco dias de cultura, festa, lazer e entretenimento.

 

Incorporando elementos da natureza e do folclore indígena, a Festa do Çairé louva ao Divino Espírito Santo, enquanto o Festival dos Botos encena em uma disputa criativa a Lenda do Boto, representada pelo Tucuxi e pelo Cor de Rosa.

 

Para o Çairé 2019, as duas entidades: Agremiação Folclórica Boto Cor de Rosa e o Grupo Sociocultural Boto Tucuxi defenderão no sábado (21), respectivamente, os temas: "Alter do Chão, berço da vida" e "Resistência Borari".

 

O campeão do ano passado, Boto Cor de Rosa, promete entusiasmar a torcida levando para a apresentação no Lago dos Botos cerca de 800 pessoas, que exaltarão a vida do maior aquífero de água doce do mundo, Alter do Chão. "Vamos explorar bastante a questão da água que é vida. Mencionar a proteção que os povos nativos desde sempre deram a esse tesouro. Sem a água não podemos sobreviver", informou o diretor de artes gerais do Cor de Rosa, Junior Souza.

 

Sobre as alegorias e indumentárias - construídas por vinte artistas plásticos de Santarém, Parintins e Alter do Chão - o diretor informou que o público pode esperar a representação da vida dos rios amazônicos por meio da união com o místico. "Vamos apresentar o ritual do batismo dando destaque à magia das águas. Esse ritual era feito pelos antigos indígenas como uma espécie de transição para o índio se tornar guerreiro e protetor. O índio se batizava e a partir daí se tornava protetor do aquífero", finalizou Junior.

 

Do outro lado da arquibancada, a torcida cinza pode esperar inovação e um grandioso espetáculo. Assim prometeu o diretor de artes do Boto Tucuxi Relisson Souza. "Esse ano, o Tucuxi vai inovar. Apesar da guerra contra o tempo, nós estamos montando um espetáculo para que o povo que virá assistir fique deslumbrado e deseje vir todo ano."

 

A luta e resistência do povo borari será representada por meio dos itens e indumentárias produzidas pela equipe de artes composta por quinze pessoas na parte alegórica e oito no figurino. Ao todo, 600 pessoas do grupo brincarão no Lago dos Botos. "Vamos dar força à luta do índio pela sobrevivência de sua origem e a do caboclo que luta pela preservação da cultura. Trazemos a resistência do próprio Çairé, festa que acontece há mais de 300 anos. Hoje em dia, tudo é luta para nós, luta da vida, da cultura e do nosso espaço na sociedade."

 

O Çairé 2019 inicia neste sábado (14) com a Busca dos Mastros e encerra na segunda-feira (23) com a derrubada. A disputa dos botos será no sábado (21).

Tags:

Sobe Catracas

DELISSA VIEIRALVES FERREIRA, promotora de Justiça

Ação Civil Pública, em conjunto com a promotora Nilda Silva, derrubou na Justiça decisão da Seduc de militarizar Escola Tiradentes, em Manaus

Desce Catracas

RAYLAN BARROSO, prefeito de Eirunepé

Foi cobrado pelo MPF para fazer processo seletivo, pagar funcionários indigenas e regularizar merenda escolar