DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/09/2019

Operação 'Tacógrafo Seguro' notifica 42 veículos na AM-070

Ipem-AM realizou, nesta quarta-feira (11) fiscalização nas rodovias AM-070 e AM-010; ao todo 400 veículos foram vistoriados

Operação 'Tacógrafo Seguro' notifica 42 veículos na AM-070 Ipem-AM realiza operação 'Tacógrafo Seguro' e notifica 42 veículos por irregularidades (Foto: Divulgação/Cláudio Heitor/Secom)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas (Ipem-AM) realizou, nesta quarta-feira (11/09), a operação "Tacógrafo Seguro", na rodovia Manoel Urbano (AM-070), que liga Manaus às cidades de Iranduba e Manacapuru, e na barreira policial AM-010. Ao todo foram fiscalizados 400 instrumentos, destes 42 estavam irregulares por estarem com o certificado de verificação do cronotacógrafo vencido, em desacordo com a Portaria nº 201/2004 do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), e pelo veículo não conter o disco dentro do instrumento.

 

O cronotacógrafo, popularmente conhecido como tacógrafo, é um instrumento de uso obrigatório pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) em todos os veículos de transporte com peso acima de 4.536 quilos ou com capacidade para mais de dez passageiros.

WhatsApp Image 2019-09-11 at 20.22.59

O equipamento registra informações do veículo, como a velocidade instantânea, a distância percorrida e o tempo que o motorista está dirigindo. Além disso, também permite a reconstituição e elaboração de laudos técnicos, em casos de acidentes, com produção de provas aceitas legalmente.

 

O diretor-presidente do Ipem no Amazonas, engenheiro Márcio André Brito, falou do objetivo da operação e importância em fiscalizar o instrumento.

 

“O objetivo é retirar e aplicar as penalidades naqueles proprietários que não possuem o tacógrafo, ou possuem sem a devida regularização junto ao Ipem, que é o órgão oficial do estado. Esse equipamento é importante, pois registra o tempo, a velocidade e a distância, conhecido popularmente como a 'caixa preta' do veículo. É onde todas as informações ficam devidamente registradas. E os proprietários desse tipo de veículo devem fazer a verificação do tacógrafo junto ao Ipem para a sua regularização”.

 

Novo sistema de fiscalização

O titular do Ipem destacou ainda, que o instituto é o primeiro no Amazonas a desenvolver uma fiscalização inteligente, por meio de uma plataforma "web service", na qual os fiscais utilizam um coletor de dados que, ao digitar a placa, é identificado o cadastro nacional dos veículos informando se esse veículo passou pelos ensaios, se atende a legislação ou se está em conformidade com o Ipem.

 

Essa plataforma foi desenvolvida para se comunicar com o banco de dados do Inmetro, que fica no Rio Grande do Sul. O banco de dados de cronotacógrafo é integrado com a empresa de Processamento de Dados (Prodam) e o Ipem.

 

Irregularidades

Os proprietários identificados com irregularidades foram autuados e têm um prazo de 24 horas para se regularizar junto ao Ipem-AM. O valor da multa é de R$ 1.200. Em caso de reincidência, o valor é dobrado.

WhatsApp Image 2019-09-11 at 20.23.04

Para realizar a verificação do cronotacógrafo, o condutor ou usuário do veículo deve comparecer a um posto de ensaio credenciado pelo Ipem-AM, para fazer a selagem e os ensaios dos instrumentos, obtendo o certificado de verificação, válido por 2 (dois) anos.

 

Dados da fiscalização de Cronotacógrafo – De janeiro e agosto do ano passado foram fiscalizados 14.054 mil veículos, e só no primeiro semestre deste ano, por meio do coletor de dados, a fiscalização já ultrapassou com 16.099 fiscalizações no instrumento de segurança.

 

Mais informações - Os usuários deste serviço interessados em obter maiores informações, podem entrar em contato com a Ouvidoria do Ipem-AM, por meio do telefone 0800 092 2020, que funciona de segunda a sexta-feira das 8h às14h.

Sobe Catracas

LUANA BORBA, jornalista

Jornalista de Manaus representou o Amazonas na bancada do Jornal Nacional e foi elogiada nas redes sociais 

Desce Catracas

HENDERSON PINTO, ex-presidente da Câmara de Santarém (PA)

Pagou mais de R$ 100 mil para empresa envolvida na Perfuga, por aluguel de carros, e é acusado de fraude em licitação de veículos