DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/09/2019

Rio Madeira passa a contar com automonitoramento da pesca feito por ribeirinhos

Programa será implantado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS), do Rio Madeira, em Novo Aripuanã

Rio Madeira passa a contar com automonitoramento da pesca feito por ribeirinhos RDS do Rio Madeira passa a contar com automonitoramento da pesca feito por ribeirinhos (Foto: Amanda Gomes/Sema)

DEAMAZÔNIA NOVO ARIPUANÃ, AM - A Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Madeira, localizada no município de Novo Aripuanã (a 227 quilômetros de Manaus), passará a contar com protocolo mínimo aquático para automonitoramento da pesca. O programa teve implementação concluída, na terça-feira (10/09), pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

 

Ao todo, dez comunidades do polo 2 da unidade de conservação participaram da capacitação para implementação do protocolo mínimo aquático. São 31 comunitários participando da atividade, entre lideranças da RDS do Rio Madeira e pescadores, que atuarão nas comunidades Santa Rita, São Sebastião, São Francisco do Matupá, Lago do Matupá, Nova Estrela, Taciuá, Lago do Taciuá, Bom Sossego, Castanha e Alegria.

 

O protocolo mínimo faz parte do Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade in situ (Programa Monitora), coordenado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que busca fortalecer o diálogo em torno das questões ambientais, com base no compartilhamento de informações e na formulação de questões, envolvendo pesquisadores, gestores das áreas e das comunidades.

 

Com o programa, é estabelecido um conjunto de procedimentos para levantar dados a partir do emprego de técnicas simples, com baixo custo financeiro e operacional, privilegiando a participação de atores locais, acompanhado do compartilhamento de análises e interpretação coletiva de resultados. As atividades requerem a capacitação constante em diversas áreas do conhecimento e permanente processo de animação e articulação de iniciativas, realizadas localmente pela Sema.

 

Para a gestora da RDS do Rio Madeira, Amanda Gomes, o automonitoramento da pesca permitirá que os comunitários obtenham informações para garantir a sustentabilidade das pescarias e a conservação da biodiversidade aquática.

 

“Com o automonitoramento da pesca, os próprios pescadores acompanharão a atividade com o intuito de observar em uma escala temporal se houve mudanças na pesca ao longo dos anos, por meio de análises dos resultados produzidos pelas comunidades. Além disso, o automonitoramento revelará informações sobre o que vai bem e o que precisa ser melhorado, tendo importante potencial de trazer subsídio para tomadas de decisões e no empoderamento das comunidades acerca de seus recursos, garantindo a sustentabilidade das pescarias e a conservação dos recursos pesqueiros e da biodiversidade aquática”, explicou.

 

Sobe Catracas

SUSAN VALENTIM, fotógrafa

Acreana teve três fotos, de conceito amazônico, aprovadas para estamparem revista online Vogue Itália 

Desce Catracas

GEAN BARROS, prefeito de Lábrea (AM)

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos (Lábrea/Prev) não entrega prestação de contas desde 2016, aponta TCE