DeAmazônia

MENU
Atualizado em 10/09/2019

Servidores de Figueiredo marcam assembleia e podem deflagrar nova greve

Assembleia convocada pelo Sindicato dos Servidores Públicos será hoje (10)

Servidores de Figueiredo marcam assembleia e podem deflagrar nova greve Cartão Postal de Presidente Figueiredo (Foto: TripAdvisor/Biotur Amazonas)

DEAMAZÔNIA PRESIDENTE FIGUEIREDO, AM - Os servidores públicos do município de Presidente Figueiredo (a 107 quilômetros de Manaus), decidem nesta terça-feira (10/9) se deflagram, ou não, greve geral no município, contra um Decreto Executivo (nº 2.815,31/2019), do prefeito Romeiro Mendonça (PDT), que retira diretos trabalhistas dos funcionários.

 

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Presidente Figueiredo (SINSEP), Márcio Luiz Teixeira Bastos, emitiu edital de convocação para Assembleia Geral Extraordinária, que acontece hoje (10/9) às 17h, no Salão de Eventos da Igreja Católica, localizado na Rua Angelim, Centro, frente ao Banco do Brasil.

 

Márcio Luiz ressalta que é importante a presença de todos servidores públicos municipais “independente do cargo ou secretaria de lotação, associados e não associados, que ingressaram no serviço público através de quaisquer um dos regimes trabalhistas”.

 

O prefeito Romeiro proibiu, por meio da decisão, o pagamento de horas extras e institui, ilegalmente, banco de horas e sistema de folgas aos trabalhadores. O Decreto foi publicado no dia 2 de setembro no Diário Oficial dos Municípios (DOM).

 

Durante a Assembleia, será debatido ainda o não cumprimento do envio ao Poder Legislativo, do Projeto de Lei que regulamenta o pagamento do Adicional Noturno; e reajustes, Gratificações, promoções e progressões não atendidas.

Sobe Catracas

RAFAEL BARBOSA, defensor público geral do Amazonas

Recebeu medalha Ruy Araújo, mais alta comenda da Aleam, e em agradecimento, nomeou o 18º defensor aprovado no concurso da DPE-AM

Desce Catracas

ALFREDO MENEZES, superintendente da Suframa

Amigo do presidente, ZFM tem sofrido fulminantes ataques do governo Bolsonaro, o que mostra desprestígio dele no cargo