DeAmazônia

MENU
Atualizado em 06/09/2019

Helder debate sobre desmatamento e propostas de Bolsonaro, em entrevista a Globo News

O governador do Pará, Helder Barbalho, foi o convidado entre os governadores dos estados da Amazônia Oriental

Helder debate sobre desmatamento e propostas de Bolsonaro, em entrevista a Globo News Governador do Pará, Helder Barbalho, foi o convidado entre os governadores dos estados da Amazônia Oriental (Fotos: Divulgação/Ag. Pará)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Em entrevista à Globo News, na noite da quarta-feira (4), o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), falou sobre o desafio que é para o Brasil compreender a Amazônia, área que representa mais da metade da extensão do país e onde moram 23 milhões de brasileiros. Helder discutiu com os jornalistas sobre o desmatamento, a questão da regularização fundiária, o agronegócio, a questão energética e outras questões políticas que afetam diretamente a imagem do Brasil.

 

Sobre desmatamento, o governador do Pará sustenta a tese de que é importante construir um novo paradigma de desenvolvimento sustentável para a Amazônia. "É necessário agirmos de forma efetiva para que a situação não piore no próximo verão amazônico, com mais queimadas e desmatamentos. Para isso, é fundamental encontrar parcerias, tanto nacionais como internacionais, para combater o problema o mais rápido possível”, disse.

 

No início desta semana, Helder recebeu, em Belém, cinco ministros do Governo Federal e nove governadores da Amazônia Legal. O objetivo do grupo é discutir maneiras de resolver a crise instalada na Amazônia. “A floresta em pé, hoje, precisa ter uma vocação econômica que vá além da pecuária e da agricultura”, pontuou.

 

“É preciso resolver a questão dos títulos de terras. Enquanto isso não for realidade, como punir o proprietário de um pedaço de terra onde foi feita uma queimada ilícita, por exemplo? Sem o acesso ao título de terra, é impossível ter crescimento econômico adequado”, complementou o governador.

O estado do Pará tem 24% de área desmatada para pasto ou produção agrícola. A criação bovina, hoje, não precisa ter árvores derrubadas para que a atividade possa crescer. Para isso, é preciso investir em acesso ao crédito, para que o produtor melhore a terra.

 

De acordo com o governador, a titularização fundiária é imprescindível, assim como, o investimento em genética. “Hoje, no Pará, temos condições de ampliar o rebanho dos atuais 22 milhões de cabeças de gado para 75 milhões, isso sem desmatar uma única área a mais”, pontuou Helder Barbalho.

 

O governador lembrou que é permitido por lei, de acordo com o Código Florestal, que algumas terras sejam desmatadas em até 50% e que, hoje, ainda restam, 23 milhões de hectares que podem ser usados de forma legal na Amazônia. “Se não for construída uma alternativa para esta área, que ainda pode ser desmatada, amparada por lei, o proprietário vai desmatar. Manter de pé essa parte da floresta que ele infelizmente pode derrubar precisa ser algo motivacional”, pontuou.

 

Questionado sobre o Fundo Amazônia, Helder disse ser um importante ativo para financiar e viabilizar recursos para a implementação de projetos.

 

O governador defende que o Brasil utilize estratégias para aplicação desse Fundo, viabilizando o acesso a este recurso e buscando outros para fortalecer projetos, como os de agricultura familiar. Só na Amazônia, existem atualmente 3,5 mil assentamentos. Destes, 1.098 são no Pará. “São pessoas que não podem ter somente um pedaço de terra, mas precisam tirar dali a sua subsistência e até a garantia de uma renda. E o Fundo Amazônia pode ser usado para este incentivo”, complementou.

 

Para que a Amazônia saia da crise em que se encontra, o Brasil precisa apresentar um plano de curto, médio e longo prazo, defende o governador. “Se isso não for feito, ano que vem vamos debater novamente este mesmo assunto, já que não se encontrou uma solução efetiva e sustentável para compatibilização do desenvolvimento da floresta”, alertou Helder.

 

Para o governador do Pará, é preciso ter mente aberta para construir um paradigma que possa efetivamente trazer o desenvolvimento. “Exemplo disso são os 132 mil hectares que podem ser regularizados para 500 famílias de extrativistas do Marajó. Esta é uma ação fruto da lei sancionada em junho deste ano e criticada por quem tem uma visão estreita e não querem resolver o problema da regularização fundiária”.

@pw_instagram

Sobe Catracas

RONAN MARINHO, artista parintinense

Idealizado por ele, projeto de animação audiovisual infantil, dos bois Garantido e Caprichoso, em formato Kids, será lançado em dezembro

Desce Catracas

HERIVÂNEO SEIXAS, prefeito de Humaitá

Concurso público da Prefeitura foi suspenso pela Justiça, após contratação de Instituto suspeito, para organizar o certame