DeAmazônia

MENU
Atualizado em 29/08/2019

CARLOS SANTIAGO # Uma sociedade doente

CARLOS SANTIAGO # Uma sociedade doente Carlos Santiago, analista político, sociólogo e advogado

O século XXI é caracterizado pela sociedade da informação e a do conhecimento. A primeira tem início com o surgimento da internet que possibilitou um maior acesso, universal e total à informação e ao conhecimento, através dos meios de comunicação e equipamentos eletrônicos.

 

A segunda se concretizou a partir das redes sociais, das interações e colaborações entre indivíduos-membros do mundo inteiro capazes de discutir questões, refletir sobre elas, ensinando e aprendendo uma com as outras, em todas as áreas de conhecimento. Porém, tem-se observado, concomitante, um isolamento entre as pessoas, violência, intolerância e o aparecimento de doenças neurais, resultante de uma vida em busca de sucesso e autodesempenho.

 

Para o filósofo sul coreano radicado na Alemanha Byung-Chul Han, estamos diante de uma sociedade do desempenho, na qual predomina o imperativo da vontade ilimitada, sob o slogan do “Yes, we can”, em que tudo você pode, tudo podemos. O mundo do trabalho valoriza os indivíduos inquietos e hiperativos, ditos produtivos, capazes de realizar múltiplas tarefas no cotidiano. Criou-se o sujeito de desempenho e de produção, o empresário de si mesmo, que vive uma busca desenfreada pelo desejo de autorealização, reconhecimento e status.

 

No entendimento do filósofo, a sociedade do desempenho está produzindo a sociedade do cansaço e aponta algumas alterações trazidas pela pós-modernidade, sobretudo no âmbito das patologias mais comuns entre seres humanos. Para o mundo ocidental, a preocupação com as doenças virais e bacteriológicas ficou no século passado, dando lugar, agora, à era das enfermidades neurais.

 

O crescimento de novas patologias, tais como a depressão, as síndromes de hiperatividade, esgotamento profissional (Burnout), transtorno de personalidade e outros tipos de transtornos de ordem psíquica têm seus impactos na vida do homem contemporâneo em escala mundial. Assiste-se a um processo de adoecimento do homem resultante da sua relação com a economia e o trabalho.

 

A sociedade do desempenho é marcada pela vida ativa, uma sociedade do trabalho que subjugou o homem à condição de animal trabalhador. Para o Byung-Chul Han, o homem moderno perdeu o limite de trabalho, nas palavras do autor, tornou-se o próprio senhor, mas também o escravo. Ele não apenas vigia e é vigiado, mas é vítima e agressor, as atividades humanas decaíram para o nível do trabalho e o homem se torna “hiperativo e hiperneurótico”.

 

Esse tipo de sociedade não é livre, pois produz nas pessoas uma concorrência consigo mesmas e uma coação destrutiva que as leva a produzirem cada vez mais. O sujeito do desempenho vive constantemente num sentimento de carência e de culpa, buscando otimizar o tempo e tornar-se mais produtivo.

 

O ritmo frenético do dia a dia tem privado as pessoas do descanso. As pessoas estão cansadas para se importar e ver o outro, para pensar no outro, para os momentos de lazer com a família e amigos, para olhar para si mesmo como alguém que depende da alteridade, da diferença e, portanto, da relação com seus semelhantes.

 

Byung-Chul Han diz que é preciso valorizar o outro, resgatar a importância do inútil, do ócio, da contemplação e da liberdade de entregar-se para a natureza. Caso contrário, estaremos produzindo uma sociedade não só do cansaço, mas da violência, do silêncio, do isolamento, um modo de vida vazio e sem sentido, um campo fértil para reprodução das patologias neurais.

*O autor é analista político, sociólogo e advogado*

@pw_instagram

Sobe Catracas

HELOÍSA DE MOURA, aluna da rede municipal de Manaus

Representando o AM, Poema dela foi classificado para final da Olimpíada Brasileira de Língua Portuguesa 

Desce Catracas

HENRIQUE FALABELLA, prefeito de Urucará (AM)

Famílias denunciam mortes de bebês por falta de médicos no Hospital Municipal e cobram providências do prefeito