Segunda, 13 de julho de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 28/08/2019

Operação Acolhida inicia reordenamento de venezuelanos na rodoviária de Manaus

Espaço, atualmente, está ocupado por 536 refugiados, que devem ser encaminhados para a Arena Amadeu Teixeira

Operação Acolhida inicia reordenamento de venezuelanos na rodoviária de Manaus Operação Acolhida na rodoviária (Foto:Nathalie Brasil/ Semcom)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O reordenamento da área próxima ao Terminal Rodoviário de Manaus, em Flores, zona Centro-Sul, teve início nesta terça feira (27/8). O espaço atualmente está ocupado por 536 refugiados venezuelanos.

 

A iniciativa faz parte da operação Acolhida, coordenada pelo Ministério da Defesa, e que reúne a Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), as secretarias de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Assistência Social, (Seas), Organização Internacional de Migração (OIM), Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

48633508656_8c8c1d9a01_o

De acordo com o coordenador da operação em Manaus, coronel Ademar Neto, após uma reunião na manhã desta terça-feira, entre as instituições envolvidas, foi alinhado que os ocupantes sejam encaminhados para a Arena Amadeu Teixeira, onde permanecerão até o término das ações. Nesse período será montada uma estrutura de albergamento, que consiste em tendas e overlays (contêineres) a serem usados para atendimento dos refugiados.

 

“A ideia é que seja um local de pernoite. Que eles saiam para procurar emprego pela manhã e à noite venham pernoitar. Vamos fornecer a eles Carteira de Trabalho, Carteira de Identidade, CPF. Haverá um mutirão conjunto entre as Forças Armadas, Receita Federal e forças federais para que haja o fornecimento de toda a documentação necessária para que eles tenham condições de se interiorizar, se quiserem. Já estamos montando um posto de interiorização e triagem na avenida Torquato Tapajós”, informou.

 

Integração

A Prefeitura de Manaus atua na abordagem social dos refugiados, por meio da Semasc, na ação de sensibilização e orientação às famílias para o reordenamento.

 48633508841_1332f1db4d_o

“Estamos disponibilizando toda ajuda possível da Prefeitura de Manaus, dentro da operação Acolhida, para que justamente por meio da força-tarefa conjunta possamos oferecer um apoio de melhor qualidade às famílias venezuelanas”, destacou a titular da Semasc, Conceição Sampaio.

 

Além da Semasc, também participam da ação conjunta do reordenamento da rodoviária, a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), atuando na limpeza do local e retirando entulhos, além da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) que está mantendo ambulâncias na rodoviária para apoio e atendimento, caso necessário.

 

Posto de Atendimento

Na rodoviária, um Posto de Referência de Atendimento (PRA) já está em funcionamento com uma sala específica do Unicef para atender crianças e evitar situações de vulnerabilidade.

 

“Temos também uma área de lavanderia, banheiros, chuveiros, área para secagem de roupas e um local para a guarda de pertences. O objetivo dessa ação é justamente trazer mais conforto e segurança para essas pessoas”, frisou a secretária-executiva da Sejusc, Edmara Castro.

 

Operação Acolhida

A operação foi lançada em Roraima, pelo governo federal, em março de 2018 e reúne órgãos federais, estaduais e municipais que atuam em conjunto nas ações de acolhimento aos venezuelanos, como fornecimento de refeições, serviços de saúde, direcionamento para abrigos e a regularização documental dos refugiados, que queiram permanecer no Brasil e ser distribuídos para outras regiões, juntamente com suas famílias.

 

A operação já contabiliza mais de 6.300 venezuelanos interiorizados em mais de 15 Estados brasileiros.

 

Sobe Catracas

WILSON JÚNIOR, bailarino e coreógrafo

Amazonense leva para o Brasil a cultura do estado com projeto de oficinas de danças afro-americanas e boi-bumbá

Desce Catracas

HERIVÂNEO VIEIRA, prefeito de Humaitá

MP/AM denunciou ele na Justiça por usar páginas oficiais da Prefeitura para fazer propaganda pessoal