DeAmazônia

MENU
Atualizado em 21/08/2019

Rodrigo Maia recua e diz que defende a ZFM

Ao Valor Econômico, presidente da Câmara disse que era preciso corrigir distorções dos incentivos da ZFM

Rodrigo Maia recua e diz que defende a ZFM Rodrigo Maia ( Marcelo Camargo/Agência Brasil)

DEAMAZÔNIA MANUS, AM - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), voltou a se comprometer que é um defensor da Zona Franca de Manaus, que tem sofrido profundos ataques do governo Bolsonaro.

 

Maia participava da premiação 'Valor 100', em São Paulo, nesta terça-feira (20), quando falou em entrevista para o jornal Valor Econômico que era 'preciso corrigir as distorções dos incentivos da ZFM'. No mesmo evento estava, o ministro da Economia Paulo Guedes, que tem planos de acabar com o modelo do PIM.

 

Em Manaus, Maia havia feito 'juras de amor" ao modelo ZFM. Guedes também. Mas, em seguida os discursos destoam.    

 

Na manhã, desta quarta, Maia se apressou em corrigir sua fala. Em entrevista ao programa Manhã de Notícias, da Rádio Tiradentes, o presidente da Câmara disse que foi mal interpretado.

 

“Sei da importância que a ZFM tem para o Amazonas e para a Região Norte. Meu compromisso com a ZFM continua”, afirmou o presidente.

 

Ao falar da Moto Honda, Maia disse que não pretende acabar a multinacional, mas que as empresas precisam hoje de valor agregado. “Eu falei isso numa projeção para 20 anos, não falei em acabar com a Honda, em Manaus”, acentuou.

 

A intervenção para a entrevista de Maia a Rádio Tiradentes foi feita pelo ex deputado federal, Pauderney Avelino (DEM), que está em Brasília.

 

A entrevista de Rodrigo Maia para o Valor havia deixado apreensiva a bancada amazonense em Brasília. 

 

Sobe Catracas

RAFAEL BARBOSA, defensor público geral do Amazonas

Recebeu medalha Ruy Araújo, mais alta comenda da Aleam, e em agradecimento, nomeou o 18º defensor aprovado no concurso da DPE-AM

Desce Catracas

HAMILTON VILLAR, ex-prefeito do Careiro Castanho (AM)

Em menos de um mês, TCE-AM reprovou novamente as contas do ex-prefeito e condenou ele a devolver R$ 3,7 milhões