DeAmazônia

MENU
Atualizado em 13/08/2019

Dário Kopenawa denuncia invasão de 20 mil garimpeiros em terras de Roraima

Filho do líder histórico yanomami, Davi Kopenawa criticou governo Bolsonaro por ser a favor da exploração

Dário Kopenawa denuncia invasão de 20 mil garimpeiros em terras de Roraima Dário Kopenawa, filho do líder histórico yanomami, Davi Kopenawa (Foto: Arquivo Pessoal)

DEAMAZÔNIA RORAIMA - O vice-presidente da Associação Hutukara Yanomami, em Roraima, Dário Kopenawa, filho do líder histórico yanomami, Davi Kopenawa, denunciou que mais de 20 mil garimpeiros ilegais exploram ouro na maior terra indígena brasileira e pediu a retirada dos homens do local. Dário afirma ainda que os indígenas vêm sofrendo ameaça de morte por parte dos exploradores.

 

A informação é da Revista Galileu, em reportagem do dia 8 de agosto.

 

Segundo Dário, o que dificulta a expulsão dos homens é o fato do presidente Jair Bolsonaro (PSL), ser a favor dos garimpeiros. Atualmente, mais de 23 mil indígenas vivem em Roraima e no Amazonas.

 

 “Sempre denunciamos, mas os garimpeiros continuam lá [...] Como o governo Bolsonaro é a favor [da exploração] isso dificulta muito. E só o governo que pode fazer essa desintrusão”, alegou.

 

Dário revelou que lideranças que denunciam a exploração ilegal, chegaram a sofrer ameaças de morte dos garimpeiros. “Eles dizem: ‘se você continuar denunciando a gente vai pegar você, vai bater em você, vai matar você’, é assim que os garimpeiros estão falando [...] para deixar recado para quem está denunciando o garimpo”, revela.

 

O governo Bolsonaro prepara um projeto para legalizar a mineração em terra indígena, o que pode afetar um terço das terras desses povos no país.

Sobe Catracas

PASTORA LEAL, presidente do TRT/8ª Região

Desembargadora foi homenageada na sede do TST, em Brasília, com medalha da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

Conselho de Ética e Transparência Administrativa Municipal (Copetramma) protocolou pedido de cassação dele na Câmara por suposta fraude em licitação