DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/08/2019

1 ano após “Perfuga”, presidente quer resgatar credibilidade da Câmara de Santarém

Operação do MPPA e Polícia Civil prendeu ex-presidente da Câmara de Santarém e empresário

1 ano após “Perfuga”, presidente quer resgatar credibilidade da Câmara de Santarém Presidente da Câmara Municipal de Santarém, Emir Aguiar

DEAMAZÔNIA SANTARÉM, PA - O presidente da Câmara Municipal de Santarém, Emir Aguiar (PODEMOS), fez na semana passada, um balanço dos sete meses a frente da gestão do Poder Legislativo. Emir destacou que o principal objetivo de sua administração é a transparência.

 

O presidente disse ainda que sua gestão presta contas até o dia 20 de cada mês e que em breve vai iniciar licitações  na Casa na modalidade pregão eletrônico.

 

Emir Aguiar  ressaltou que está também realizando a contenção de despesas e citou com exemplo, a redução do consumo de combustível. "Isso graças aos servidores, aos chefes de gabinete, que têm reunido com o diretor [Alberto Portela]", inclui.

 

Decano do Legislativo, o presidente lembrou que no dia 07 de agosto de 2017, era deflagrada a operação denominada "Perfuga", da Polícia Civil em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA). A operação prendeu o ex-presidente da Câmara, Reginaldo Campos.

 

"Esta Casa enfrentou um dos piores episódios de sua existência", lamentou. O presidente disse também que busca resgatar a imagem da Câmara. "Busca incansável de respeito à coisa pública. Nosso papel é acompanhar e, acima de tudo, fiscalizar, in loco, todas as atividades do Executivo", afirmou.

 

OPERAÇÃO PERFUGA

A Operação “Perfuga” investiga crimes de corrupção, peculato e associação criminosa na Câmara de Vereadores.  Semana passada a operação completou 1 ano, com duas pessoas presos e  54 pessoas denunciadas.

 

Foram presos o ex vereador Reginaldo Campos ( presidente da Câmara 2015/2016) e o empresário Westerley Jesus de Oliveira, sócio oculto de empresas que venceram licitações na Câmara e participaram de esquema de desvio de recursos públicos, segundo investigações do MPPA e Polícia Civil.

Sobe Catracas

DELISSA VIEIRALVES FERREIRA, promotora de Justiça

Ação Civil Pública, em conjunto com a promotora Nilda Silva, derrubou na Justiça decisão da Seduc de militarizar Escola Tiradentes, em Manaus

Desce Catracas

RAYLAN BARROSO, prefeito de Eirunepé

Foi cobrado pelo MPF para fazer processo seletivo, pagar funcionários indigenas e regularizar merenda escolar