DeAmazônia

MENU
Atualizado em 09/08/2019

Lava Jato tratava Dodge como inimiga: 'barraco tem nome e sobrenome'

Novas revelações do site Intercept Brasil em parceria com o jornal El País

Lava Jato tratava Dodge como inimiga: 'barraco tem nome e sobrenome' Procuradora Geral, Raquel Dodge ( Tomaz Silva/Agência Brasi)

Novas revelações do site Intercept Brasil, em parceria com o jornal El País, apontam que membros da Operação Lava Jato tratavam a procuradora Raquel Dodge como inimiga. “Caros. O barraco tem nome e sobrenome. Raquel dodge”, afirmou o procurador Januário Paludo a seus colegas em um chat do Telegram em 11 de março deste ano.

 

Segundo a reportagem, "as conversas dos procuradores, enviadas ao The Intercept por uma fonte anônima e analisadas em conjunto com EL PAÍS, apontam que Dodge, o posto mais alto do Ministério Público, era vista como uma espécie de inimiga interna pela própria operação". 

 

"E que os procuradores chegaram a discutir a possibilidade de repassar informações secretamente a jornalistas para pressioná-la a liberar ao STF delações, entre elas, a de Léo Pinheiro, da construtora OAS, uma testemunha-chave de casos que incriminam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva".

 

De acordo com a matéria, "a relação estreita que, de acordo com os procuradores, existe entre Gilmar Mendes e Raquel Dodge é o cimento que constrói o muro de desconfiança e desdém que separa Curitiba da procuradora-geral da República. É um sentimento que vem desde o começo da gestão dela, em setembro de 2017". 

 

"Em 20 de junho daquele ano, dias antes de Dodge ser apontada para o cargo pelo então presidente Michel Temer, Dallagnol diz aos colegas: 'Bastidores: - Raquel Dodge se aproximou de Gilmar Mendes e é a candidata dele a PGR', escreve o procurador. Em outra conversa, já em 2018, o coordenador da Lava Jato afirma que Dodge só não confronta Mendes porque 'sonha' com uma cadeira no Supremo assim que seu mandato na PGR terminar", diz o texto.

 

 

Segundo a nova Vaza Jato, "a suposta aproximação com o ministro do STF, no entanto, é só uma das queixas da Lava Jato de Curitiba com Dodge. Para os procuradores liderados por Dallagnol, a procuradora-geral é um obstáculo incontornável também por ser dona da caneta que tanto libera orçamento à força-tarefa como envia ao Supremo os acordos de delações premiadas que envolvem autoridades com foro privilegiado, como a de Léo Pinheiro". 

 

"Curitiba depende de Dodge de uma forma ainda mais fundamental: já em contagem regressiva para deixar a PGR em 17 de setembro, é ela que determinará se a força-tarefa continuará existindo no ano que vem, uma vez que a atual autorização expira em 9 de setembro".

 

Aassessoria de imprensa da PGR afirmou que "não se manifesta acerca de material de origem ilícita" ou sobre acordos de delação, "que possuem caráter sigiloso". 

 

 

A força-tarefa da Lava Jato também afirmou à reportagem que não faria comentários. 

COM INFORMAÇÕES DO BRASIL 247

Sobe Catracas

PASTORA LEAL, presidente do TRT/8ª Região

Desembargadora foi homenageada na sede do TST, em Brasília, com medalha da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

Conselho de Ética e Transparência Administrativa Municipal (Copetramma) protocolou pedido de cassação dele na Câmara por suposta fraude em licitação