DeAmazônia

MENU
Atualizado em 09/08/2019

Com dívida de R$20 milhões, sócio pede Junta Governativa no Caprichoso

Sócio João Vinícius Lago pediu que eleição para presidente seja cancelada e sugeriu intervenção do governo, prefeitura e TCE, no boi

Com dívida de R$20 milhões, sócio pede Junta Governativa no Caprichoso Sócios protestaram em Assembleia Geral de prestação de contas (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA PARINTINS, AM - Com uma assembleia geral tumultuada na quarta-feira (07/8), que foi terminar na Justiça de Parintins, o advogado e sócio João Vinícius Lago propôs que a eleição do Caprichoso seja cancelada e que os sócios aclamem a composição de uma Junta Governativa para administrar a associação cultural por até dois anos (2020/2021).

 

João Vinícius justifica seu pedido de intervenção diante de um caos financeiro que se abateu sobre o Caprichoso na gestão do atual presidente Babá Tupinambá em que 90% do patrimônio do boi está em leilão e penhoras e uma dívida milionária trabalhista na Justiça.

 

O sócio relacionou que os galpões de alegorias e de tribos, a escolinha de artes, curral Zeca Xibelão e o clube de campo Caprichoso estão em processo de execução e outros em leilão. “Apenas o escritório do boi não está penhorado”, advertiu.

 

“Se as coisas continuarem como estão, o que se anuncia, na verdade, é um prejuízo não somente para o Caprichoso, mas para a própria cidade de Parintins, que terá prejudicado o seu Festival, afinal, se um boi não tem condições de entrar na arena, não tem disputa, não tem Festival”, afirma João Vinicius Lago.

 

Lago afirma ainda que a dívida acumulada atualizada do Caprichoso ao longo de 10 anos, decorrente de processos judiciais, cíveis e acordos trabalhistas não cumpridos, é equivalente a R$ 20 milhões. Na assembleia geral o presidente anunciou que a dívida seria de R$ 8 milhões.

 

Desse modo, João Vinícius prevê que o boi Caprichoso tem uma ameaça iminente de não participar do Festival de 2020, num prejuízo a cidade e ao Amazonas. Ele pediu que o Governo do Estado, a Prefeitura de Parintins e o TCE façam uma intervenção na agremiação azul e branca no sentido de "salvar" o Festival do ano que vem.

    

“É necessário a intervenção urgente dos organizadores do Festival. Prefeitura, Governo do Estado, Tribunal de Contas do Estado, entre outros, precisam atuar com firmeza para que se dê transparência às contas dos bois e ponham um fim nessa farra com dinheiro público”, acrescenta.

 

ASSEMBLEIA GERAL

 Na quarta-feira (07/8), a diretoria declarou em assembleia geral do boi a aprovação das contas de Babá Tupinambá e do vice Jender Lobato sob protestos de sócios. Houve bate boca e muita confusão. A assembleia aconteceu no auditório dom Arcangelo Cerqua, na avenida Nações Unidas, Centro de Parintins, porque a energia elétrica do curral Zeca Xibelão foi cortada pela Amazonas Energia por falta de pagamentos.  

 

O caso foi parar na Justiça de Parintins. O candidato a presidente Karu Carvalho foi à Justiça pedir que Babá entregue os balanços financeiros da prestação de contas 2019 para serem avaliadas. Não apoiaram a forma como foi conduzida a assembleia prestação de contas os ex-presidentes Dodó Carvalho, Geraldo Medeiros e Márcia Baranda. 

Sobe Catracas

PASTORA LEAL, presidente do TRT/8ª Região

Desembargadora foi homenageada na sede do TST, em Brasília, com medalha da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

Conselho de Ética e Transparência Administrativa Municipal (Copetramma) protocolou pedido de cassação dele na Câmara por suposta fraude em licitação