DeAmazônia

MENU
Atualizado em 06/08/2019

CARLOS SANTIAGO #Manaus das contradições e dos desafios

CARLOS SANTIAGO #Manaus das contradições e dos desafios

É um pedacinho das contradições econômicas, sociais e culturais que existem na cidade de Manaus; é uma região formada por bairros sofisticados com boas infraestruturas urbanas, com parques ecológicos, com centros comunitários, avenidas, restaurantes caros, grandes edifícios e casas habitadas por pessoas endinheiradas e de classe média, possui três grandes shoppings centers de padrão nacional; mas é também um lugar de bairros com becos, biroscas, casebres de madeiras, ruas alagadiças e de graves agressões ao meio ambiente.

 


Nesse recanto, algumas crianças brincam se balançando e correndo nos jardins das escolas particulares e nas áreas sociais dos condomínios. Outras, correm nas ruas sem asfaltos, brincam com pipas, jogam bolas de gude, pulam nas pontes dos córregos poluídos e vendem picolé dentro e fora das escolas públicas para sobreviver.

 


Neste torrão, o sagrado e o profano dão os braços e se abraçam. Nele, as igrejas de Nossa Senhora de Nazaré e de São José são templos perfeitos para os religiosos da fé cristã adorar seus santos e expandir sua crença em Deus. É também neste lugar que se encontra a casa da mãe Nonata Correa, adepta da religião afrodescendente, com vestimentas brancas, incorporando divindades e conversando com fieis, olho a olho, com cânticos e batuques. Até a tradicional maçonaria se faz presente com suas lojas cheias de segredos e de adeptos solidários, alguns negadores dos costumes religiosos.

 


Os parques ecológicos são habitats dos pássaros, das cutias, dos macacos, das borboletas e refúgios das famílias e de namorados que vão ali andar entre árvores e flores, principalmente nos finais de semana. Não se trata, porém, de uma região idílica. O avanço do capitalismo trouxe a invasão de áreas protegidas, a redução da fauna e da flora, e a inexistência dos igarapés.

 


Largas avenidas e ruas que interligam a Manaus do presente à do passado, agora com poucas árvores e um trânsito engarrafado e quase insuportável. Nas alamedas e nas áreas comerciais, os mendigos proliferam-se e refletem a exclusão social e um mundo cada vez mais egoísta.

 


Aqui as pessoas parecem estar protegidas dos assaltos e das violências das ruas, com carros blindados, com segurança privada e áreas restritas. Entretanto, convive-se com índices altíssimos de roubos e assaltos e com a sensação de medo e de fragilidades. Uma violência que atinge a todos, e com muito mais força os mais humildes, que não possuem proteção privada e nem governamental.

 


Na Zona Centro-Sul, onde eu nasci e moro, mas também em outras regiões da nossa cidade, são grandes os desafios dos administradores públicos. A cidade vai além do conceito de área urbana. É um lugar das relações mais próximas entre o cidadão e a administração pública, onde as concessões estatais de serviços, as permissões públicas e os atos de governos atingem diretamente a vida.

 


Precisamos construir coletivamente uma cidade mais fraterna e cidadã. A lei do Estatuto da Cidade completou 18 anos e busca democratizar a convivência e as decisões nos municípios, dando mais responsabilidades aos cidadãos e impondo a administração pública ouvir a população antes do planejamento e da decisão governamental, com o objetivo de levar bem-estar a todos, sem distinção de classe, de cor e crenças, um espaço-cidadão de encontro de culturas e de valorização da vida. Mas falta o Estatuto da Cidade sair do papel, uma missão de todos.

 


O amor por Manaus deve ser bem maior que seus problemas. Urbe do sol escaldante e das fortes chuvas que ajudam na proliferação de vidas. Nela nasci, encontrei meus amores de alma e de coração, onde chorei minhas tristezas e realizei meus sonhos. Um local de um belo povo, resultado da mistura de cores e de perfeições e imperfeições humanas.

*Sociólogo, Analista Político e Advogado.

Sobe Catracas

PASTORA LEAL, presidente do TRT/8ª Região

Desembargadora foi homenageada na sede do TST, em Brasília, com medalha da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

Conselho de Ética e Transparência Administrativa Municipal (Copetramma) protocolou pedido de cassação dele na Câmara por suposta fraude em licitação